Nokia

 

A Mobile World Congress 2017 será a casa do ressurgimento da Fênix mitológica do mercado mobile, a Nokia.

Não é a mesma Nokia que conhecíamos, mas a HMD Global aposta tudo no seu miticismo e fanatismo para atrair a atenção de todos no evento de Barcelona.

Muita gente esperava por essa volta. E isso pode ajudar e muito na projeção e recuperação da marca.

 

 

O mercado não é mais o mesmo

 

O mundo mudou.

O tempo em que a Nokia era força dominante no mercado mobile ficou para trás, e sua parceria com a Microsoft foi ruim para as duas marcas. Agora, a Nokia volta com o Android, nas mãos de outro fabricante, com o objetivo de recuperar o peso que tinha no passado.

A HMD Global aposta claramente na nostalgia, quando decide homenagear o indestrutível Nokia 3310. Espero a volta do celular clássico, que desperte o amor no coração de muitos que tiveram esse modelo, ou de quem um dia invejou quem tinha esse modelo.

A nostalgia está funcionando em outros setores da tecnologia. O NES Mini Classic é uma prova clara disso.

E a nostalgia pode impulsionar as vendas do Nokia 6, modelo que pode mostrar que a HMD (e a Foxconn) não será capaz de produzir tantos smartphones quanto solicitados.

O modelo do passado pode não trazer cota de mercado, mas pode atrair os olhares da mídia. Pode parecer um gesto romântico, mas seu efeito a médio prazo pode ser muito benéfico.

 

A importância da oferta

 

O problema é que o Nokia 3310 não fica no mercado para sempre. E a marca precisa de uma proposta de nível para roubar mercado dos seus concorrentes. E essa é uma missão quase impossível nos dias de hoje.

O mundo mobile é hoje dominado pelo duopólio Android/iOS, e a concorrência dentro do segmento é feroz. Grandes marcas, marcas menores, clones chineses…. a nova Nokia tem que enfrentar tudo isso.

Por outro lado, oferecer um bom espetáculo em Barcelona pode ajudar nos passos seguintes. O mundo precisa saber que a marca lendária está de volta, e mesmo que o caminho seja duro, ele pode ser ao menos promissor para começar a abrir portas.

 

Não se esqueça: essa não é a Nokia que você conhecia

 

Muitos sonharam com a volta da Nokia com relevância no mercado mobile, mas… falando francamente? Hoje, o objeto de desejo está em outras marcas. A concorrência mais feroz do que nunca é algo muito positivo, e só vai mostrar ao mundo quais são os propósitos reais da HMD Global com esse retorno.

Veremos o que a marca preparou para Barcelona. O cenário nunca foi tão favorável para a Nokia simplesmente detonar na MWC. Apesar da velocidade dos lançamentos favorecerem mais ao esquecimento, se a marca aportar algum diferencial relevante, pelo menos começa uma possível recuperação.