Depois de ferrar com os usuários brasileiros no preço do iPhone 4S, a Apple voltou a se concentrar no que realmente interessa: a batalha de patentes. O próximo alvo da empresa já está definido. Eles conseguiram uma ordem de restrição das importações e vendas de alguns modelos da fabricante taiwanesa nos Estados Unidos (clique aqui para ler). Mesmo sendo uma restrição que só vai valer no país a partir de abril de 2012, a decisão gera um pouco de preocupação entre os fabricantes com sistema operacional Android.

A patente que a Apple alega que a HTC violou é da tecnologia que permite ao usuário acionar uma ligação para um número de telefone escrito em um e-mail, com um simples toque em cima do número. É, pode parecer uma coisa besta, mas não é besta o suficiente para a Apple deixar de patentear (e processar por isso). Essa característica está presente nas versões Android 1.6, 2.1 e 2.2. Na verdade, a empresa de Cupertino entrou na Justiça norte-americana com, pelo menos, 10 alegações de violações de patentes contra a HTC. Depois, retirou seis dessas demandas, perdeu em uma, e venceu em três. As outras duas são facilmente corrigíveis com um simples patch de atualização enviado pelo Google. O que preocupa é essa patente do acesso rápido ao sistema de chamadas telefônicas, e é esse que pode complicar a vida de muitos fabricantes.

A Apple não é burra. Há pelo menos dois motivos fortes para a empresa entrar com uma ação contra a HTC dentro dos Estados Unidos. O primeiro é que a fabricante taiwanesa é uma das principais adversárias da fabricante do iPhone, com vários modelos disponíveis no mercado local, e números de venda expressivos, apesar de estar em declínio na sua exposição, justamente pelo destaque que Apple e Samsung recebem, não apenas pela suas brigas, mas pela qualidade de seus produtos (e suas respectivas vendas). E para a Apple, vencer apenas não é o suficiente. É preciso varrer com os adversários, para conseguir o público deles.

O segundo motivo (e esse é tão perigoso quanto o primeiro) é que fica um pouco claro que a Apple usou a HTC como “empresa-teste” para uma futura sequência de processos contra os demais fabricantes. É uma questão de pensar de forma lógica: salvo algumas personalizações, os comandos básicos e funcionalidades do Android são as mesmas para todos os fabricantes. Principalmente nas versões envolvidas no processo contra a empresa taiwanesa. Logo, nada impede que a empresa de Cupertino entre com a mesma ação contra os demais fabricantes, utilizando o mesmo argumento, e obtendo os mesmos resultados.

A HTC recorreu da decisão, que impede a empresa de importar e vender aparelhos com tais características nos Estados Unidos a partir de abril de 2012. Enquanto uma decisão definitiva não sai, o correto para a empresa é procurar o Google, que é o “pai” da criança chamada Android para buscar uma solução. Caso contrário, teremos vários modelos da empresa fora do mercado local. Quero acreditar que o Google vai ser esperta o suficiente para ao menos se esforçar para corrigir esse pequeno detalhe, pois se os fabricantes tiverem algum prejuízo, por tabela, o prejuízo também será da empresa de Mountain View.

E você achando que a Apple só se preocupava com a Samsung… ledo engano. Final de ano, e os advogados de Cupertino atirando para todos os lados. Isso me faz lembrar que Steve Jobs preparava uma “cruzada contra o Android”. Ao que tudo indica, a primeira batalha foi vencida, e em 2012, teremos uma batalha bem mais incisiva, com reflexos mais diretos e imediatos no mercado de tecnologia.

Quem viver, verá!