Sou mais um que aumenta a lista de pessoas lesadas pela Fast Shop durante a Black Friday 2012.

No dia 23/11/2012, pesquisando para adquirir algum bom produto no tal dia de promoção de compras, encontrei um item que era de meu agrado, no valor de R$ 899,00. Optei pela compra de uma unidade, parcelada em 10x no cartão de crédito. A mesma foi rapidamente confirmada pela Fast Shop, uma vez que poucos minutos depois identifiquei o valor da compra debitado do saldo do meu cartão.

No mesmo dia, recebi e-mail da Fast Shop confirmando a compra, nas condições descritas, e com o código de pedido (J34320162). Também recebi no mesmo dia 23 de novembro, duas emissões de notas fiscais eletrônicas (NF-e) da Fast Shop, com numerações diferentes, referentes ao mesmo pedido. Achei estranho, pois já tenho experiência em compras na internet, e normalmente nunca me mandam duas notas fiscais eletrônicas de um único pedido. Mas decidi não levar isso em consideração. Apenas salvei os e-mails para minha segurança.

O produto foi postado no sábado, 24 de novembro, e chegou em minha residência sem problemas ou detalhes no dia 26 de novembro.

Na quinta-feira, 29 de novembro, eu precisei utilizar o mesmo cartão em questão para uma compra em um estabelecimento comercial de minha cidade. Qual é a minha surpresa é que eu não consigo utilizar o cartão. Motivo: limite estourado.

Tenho esse cartão a mais de 2 anos, e nunca tive esse problema, pois mantenho um controle rígido de todas as minhas despesas.

Liguei para a operadora de cartões, que não soube informar o motivo pelo qual o limite estourou, uma vez que somados todos os valores de compras nesse cartão, eu ainda tinha limite de sobra. Então, fazendo uma consulta online no status de minhas compras, detectei que o valor de R$ 899,00 do produto adquirido na Fast Shop foi reservado por DUAS VEZES, fazendo com que esse ultrapassasse o limite do cartão de crédito.

A loja alega que eles reservaram uma primeira vez os R$ 899,00 pelo pedido em si, e a segunda vez para concretizar a compra na prática. Considero essa justificativa improcedente pelos motivos a seguir:

1) em nenhuma transação comercial é permitida a retenção de valores acima daquele que foi anunciado e/ou acordado entre as duas partes;
2) em nenhuma transação comercial, nenhum valor a mais pode ser “reservado” do limite do cartão de crédito do cliente, sem a prévia autorização do mesmo. Não fui informado dessa prática. Se fosse, não faria a compra;
3) tal informação da prática da Fast Shop não está descrita de forma clara e com acesso fácil ao consumidor em sua página de compra ou site;
4) fui lesado moralmente, quando tentei fazer a compra no estabelecimento físico, mas não consegui, por causa da atitude tomada pela Fast Shop;
5) a emissão de duas notas fiscais eletrônicas, com números diferentes, para uma única solicitação se configura, ao meu ver, como tentativa de cobrança indevida, uma vez que fiz apenas um pedido no site. Não existe emissão de nota fiscal eletrônica para “reserva de valor no cartão de crédito”

Por fim, é impossível falar no SAC da Fast Shop (que não é gratuito por telefone), pois todas as linhas estão ocupadas, e o chat via internet é algo impraticável, pois o volume de pessoas na fila (na última tentativa, eram 145 pessoas) torna a espera tão longa, que o sistema não registra mais quando você se logou ao site. Mas essas dificuldades se justificam: muitas pessoas estão reclamando de problemas semelhantes que a Fast Shop causou durante a Black Friday 2012.

O que eu quero? Que tudo seja feito da forma correta. Que seja dado baixa na compra, que removam essa solicitação “pendente de autorização” de R$ 899,00 no meu cartão. Já fiz uma queixa no Procon/SP contra a Fast Shop, e se o problema não for resolvido com agilidade, tomarei medidas judiciais para não só recuperar o valor indevidamente reservado em meu cartão de crédito, mas também ser indenizado pelos prejuízos materiais e morais que já estou tendo com esse problema (incluindo com a prestadora de cartões de crédito). Afinal de contas, meu bom nome de crédito foi prejudicado por causa de uma prática da Fast Shop que considero ilegal, pelos motivos acima citados.

Sem mais.

ATUALIZADO em 30/11/2012, @ 19h31: acabo de receber um telefonema da Itaucard, que resolveu meu problema com apenas uma ligação. Expliquei o caso apenas uma vez, e eles entenderam (pelo meu perfil de compra de dois anos) que a Fast Shop realmente utilizou de uma prática ilegal para concretizar a compra. Meu crédito já foi restituído, e os R$ 899,00 cobrados de forma indevida foram liberados em meu saldo do cartão. Agora, a questão será resolvida na Justiça.

E repito: compras na Fast Shop? Nunca mais!