águias

 

A ideia aqui é que os drones possam ser abatidos, sem que a águia sofra qualquer tipo de dano. E evitar que os drones sejam invasivos para determinados propósitos. Logo, as águias são mais um recurso que os órgãos de defesa testam para derrubar os drones.

Holanda e França trabalha em diferentes soluções nesse sentido, e as águias parecem ser muito eficientes, já que podem ver um drone a quilômetros de distância, dispensando assim o uso de armas em áreas com muito tráfego aéreo.

 

 

A escolha das águias foi feita em função de sua envergadura e força para manobrar o drone, além de suas patas fortes. Detalhe: são águias de apenas 8 ou 9 meses de vida, que desde cedo aprendem tudo o que puder sobre os drones, para melhor identificar sua presa, indo desde a hora de comer até capturar o objeto pela sua área mais adequada, se distanciando das hélices e transportando o dispositivo com eficiência.

A envergadura máxima de uma águia é de 2.20 metros, pesando entre 3 e 5 quilos e podem voar a 80 km/h em linha reta, ou 180 km/h em trajetórias irregulares.

Sem falar que são valentes, e respondem pelos nomes dos mosqueteiros (D’artagnan, Athos, Porthos e Aramias).

 

 

 

Via ZDNet