iphone-usarmy

Os casos de malware e brechas de segurança nos smartphones se tornaram abundantes nos últimos anos, principalmente quando falamos do mundo Android. A plataforma é constantemente atacada pelos “trapaceiros”, inclusive das formas mais simples, como por exemplo quando um usuário instala um aplicativo fora da Google Play Store, ou de procedências desconhecidas.

Em termos de segurança em dispositivos móveis, a BlackBerry segue se mantendo líder a quase uma década, o que tornou a gigante canadense de Waterloo merecedora da confiança de instituições militares e de segurança em vários países ao redor do planeta. Por exemplo, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos, utilizava os dispositivos da BlackBerry até hoje. Eu disse “utilizava”, pois tudo indica que essa hegemonia dos canadenses está chegando ao fim.

Análises recentes mostram que o iPhone e alguns smartphones Android são mais seguros que muitos poderiam acreditar. O próprio DoD prova isso, e anunciou recentemente que aprovaram o uso de smartphones da Apple e alguns modelos da linha Galaxy da Samsung dentro de suas dependências, com os mesmos padrões exigidos dos dispositivos da BlackBerry.

Até hoje, as Forças Armadas dos Estados Unidos só permitia o uso de alguns smartphones Android da Dell, que inclusive funcionavam com uma versão bem atrasada do sistema da Google (Android 2.2 Froyo). Porém, depois de um extenso período de avaliação e testes, constatou-se os dispositivos da Apple e Samsung contam com protocolos de segurança fortes o suficiente para se conectar às redes e serviços do Departamento de Defesa norte-americano.

Ou seja, com tal afirmação, podemos concluir que…

Caiu o mito que o Android é ruim em termos de segurança?

O Android é uma plataforma que conta com a pior fama possível, quando o assunto é segurança de dados. Mas com esse anúncio do DoD, a sua imagem poderia ser revista nesse aspecto, ao menos em partes. Essa decisão do governo dos Estados Unidos inclui única e exclusivamente alguns modelos da linha Galaxy da Samsung, e não aos demais smartphones que funcionam com o sistema operacional da Google. Nem mesmo modelos com o Nexus 4, que contam com o Android em seu estado mais puro.

Se voltarmos um pouco no tempo, no mês de fevereiro, nos deparamos com o anúncio do recurso chamado Samsung Knox, que é a plataforma de segurança móvel que os coreanos apresentaram como parte de sua nova geração de smartphones, com o objetivo de permitir que as empresas implementassem o conceito “Bring Your Own Device” (“use o seu próprio dispositivo” – para trabalhar). Parece que esse recurso convenceu o pessoal das Forças Armadas, se mostrando confiável para integrar a sua rede de dispositivos.

No caso do iOS, os seus protocolos de segurança sempre se mostraram ser suficientemente fortes no âmbito de segurança mobile. O que o DoD fez foi simplesmente confirmar tal eficiência.

Ser o provedor de dispositivos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos é algo que agrega valor para Apple e Samsung, já que é um mercado de grande importância em potencial (mais de 3 milhões de novos usuários). Por outro lado, é uma péssima notícia para a BlackBerry, levando em conta que a gigante canadense era a maior provedora de smartphones do governo norte-americano.

É bom deixar registrado que o iPhone, os modelos Galaxy e o BlackBerry 10 contam apenas com a aprovação de baixo nível em matéria de segurança (para aplicativos que não encontram conteúdos de alta confidencialidade). Para conversações ou manipulação de arquivos de nível “top secret”, os únicos smartphones que contam com certificados de segurança fortes o suficiente são os modelos mais antigos da BlackBerry.

Logo, temos uma corrida declarada aqui entre os três sistemas. Aquela nova plataforma que obter esses mesmos níveis de segurança será aquela que vai se apoderar rapidamente do mercado militar norte-americano. E Apple, Google e BlackBerry querem muito isso.