xiaomi-mi

 

A Xiaomi é uma das empresas de tecnologia mais conhecidas do mundo, principalmente no segmento de telefonia móvel. Alguns dos seus smartphones estão entre os mais vendidos e aclamados pelos usuários.

Porém, em uma recente entrevista, Hugo Barra confirmou que a empresa não lucra com as vendas de smartphones. Algo estranho para uma empresa que se dedica ao desenvolvimento e venda de produtos.

Isso tem uma explicação bem simples: a Xiaomi quer criar uma marca, obtendo lucros em outros mercados.

 

 

“Poderíamos vender 10 bilhões de smartphones, e não obteríamos um só centavo em lucros”

 

xiaomi-mi-note-2

 

Hugo Barra só confirmou o que todos suspeitavam. A Xiaomi não tem lucros nas vendas de smartphones.

Pouco importa para eles se a sua cota de mercado continua a cair. Aliás, a queda nas vendas da empresa nesse ano deve ser de 45% em comparação com 2015, que por sua vez também registrou importante queda nas vendas de smartphones.

Mesmo assim, ainda é um número de vendas bem expressivo.

A grande presença da Xiaomi no mercado de telefonia móvel, com potentes modelos a preços competitivos, é parte da estratégia global da empresa.

Criar uma marca é algo fundamental, mas eles conseguiram ser conhecidos no mundo todo rapidamente graças aos smartphones.

Os lucros? Vieram de outros dispositivos, como a Mi Band, os purificadores de ar, a Mi Scale e outros.

 

A Xiaomi vai continuar a apostar nessa estratégia?

 

mi-mix

 

Com as declarações de Hugo Barra, a dúvida que fica é: a Xiaomi vai seguir desenvolvendo smartphones no futuro?

A marca em si já está criada e conhecida em todo o planeta. Mas tudo indica que os smartphones da marca seguirão no mercado, mas de outra forma.

Nos últimos tempos, vemos como a Xiaomi lançou smartphones de elevada qualidade, com designs melhorados, mas com preços não tão abaixo da concorrência.

Uma vez criada a marca, parece que chegou a hora de ganhar dinheiro com os smartphones.

É o que parece.

 

 

O longo caminho da Xiaomi

 

Com tudo isso, e com a marca crescendo em vários mercados, o caminho da Xiaomi é muito longo, em todos os sentidos.

Vamos ver mais produtos da marca no mercado em todos os segmentos, mas sem deixar de lado os dispositivos móveis, que cada vez mais terão maior qualidade, mais potentes e mais caros.

Hoje, são centenas de produtos de todos os tipos, e esse número pode ser ainda maior nos próximos anos.

A Xiaomi pode até entrar em outros mercados impensáveis, mas que podem render muitos lucros para a empresa.

O tempo vai contar essa história para todos nós.