Uber

 

Eu não posso elogiar político. Nunca.

Eu falei que para as prestadoras de serviço de internet estavam com um match point para a palhaçada de limite de internet banda larga fixa, uma vez que foi aprovada na Câmara dos Deputados a alteração do texto do Marco Civil da Internet que impedia tal limitação.

Pois bem, vamos dar alguns passos para trás para compensar isso. A mesma Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que “regulamenta” os serviços de transporte via aplicativo. Que, na prática, inviabiliza o funcionamento de todos eles no Brasil.

E digo todos, literalmente: Uber, Cabify, 99, Easy Taxi, etc).

 

Não sou contra regulamentar. Não sou contra cobrarem impostos das empresas. Porém, o projeto de lei torna o serviço como “de transporte público”, e não um serviço de transporte privado – ou de motorista a passageiro, com o aplicativo como intermediário.

Isso submete os motoristas e as empresas a regulamentações específicas e pagamentos de impostos que tornam esses serviços insustentáveis no Brasil.

Até dá para entender o que os políticos querem: defender quem paga mais impostos para eles, ou seja, os taxistas. Além de recolher mais impostos de quem não está pagando tantos impostos assim.

Aliás, esses mesmos políticos (ou órgãos governamentais) querem fazer o mesmo com outras alternativas que envolvem soluções tecnológicas. Um claro exemplo do que eu estou falando é o que querem fazer com a Netflix, cobrando as mesmas tributações de um serviço de TV por assinatura, sendo que o mesmo nem possui a mesma estrutura de um serviço dessa categoria.

Ou seja, não é falta de inteligência dos políticos. É fome predatória mesmo.

 

O brasileiro já é um atrasado em termos de tecnologia. Nos arrastamos em diferentes segmentos de mercado, e alguns fabricantes simplesmente não passam nem perto do Brasil por conta justamente desse perfil de gestão pública que mais atrapalha do que ajuda. Aliás, uma prova de que estamos bem atrasados nesse aspecto é o fato de Gilberto Kassab ser hoje o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Honestamente? Ele não é o mais preparado para o cargo. Não possui cultura ou conhecimento técnico para isso.

Enfim, o projeto ainda precisa passar pelo Senado e depois ser aprovado pelo presidente Michel Temer. Mas sou obrigado a dizer que temos o primeiro match point para o Uber no Brasil.

A não ser que alguma gambiarra jurídica apareça. Ou alguém venha esclarecer didaticamente nossos políticos que a evolução da espécie passa sim pelos aplicativos de transporte.

Ou vai me dizer que os políticos de Brasília não usam o Uber?