filho

 

Ben Ryan recebeu a notícia que o seu filho Sol, de apenas 10 dias de vida, tinha um coágulo no braço, o que obrigou a uma amputação. O professor de psicologia aceitou o diagnóstico, mas não o fato que o sistema de saúde britânico não oferecer próteses de qualidade até que as crianças completassem três ou quatro anos de idade.

Então, Ben decidiu fabricar uma prótese que permitia ao seu filho ter uma vida o mais normal possível, e abandonou o seu emprego para desenvolver a tal prótese.

 

 

O empenho de Ryan o levou para a Autodesk, que está ajudando no desenvolvimento do braço. Tudo isso resultou na empresa Ambionics, que desenvolve o produto com a ajuda da impressão 3D.

Sem qualquer tipo de experiência no desenvolvimento de produtos, Ryan trabalha em um braço biônico hidráulico que ele espera vender em todo o planeta, para ajudar crianças na mesma situação que seu filho.

Para comercializar o produto e cobrir os custos de investimento, a campanha de crowdfunding no Indiegogo tem como meta 58 mil euros. Mas fato é que Ryan é forte candidato ao título de pai do ano por sua iniciativa.

 

Via The TelegraphIndiegogo