trump

 

Isso mesmo. Chora que dói menos. Trump venceu, e é melhor aceitar.

Na verdade, é bem difícil aceitar.

Donald Trump, empresário, magnata e ex-apresentador do The Apprentice é o 45º presidente dos Estados Unidos. Uma derrota para o mundo civilizado.

Mas quem realmente perdeu foi a mídia tradicional. E, nesse caso, perdeu de lavada.

 

 

Beijinho no ombro de Trump

 

Trump pode tripudiar da mídia tradicional de todas as formas a partir de agora.

Os principais veículos de massa norte-americanos e grandes influenciadores fizeram campanha aberta e explícita contra Donald Trump (e não necessariamente a favor de Hillary Clinton, que também não era uma boa opção…).

Escolheram um lado. Claramente. O próprio Trump afirmou isso.

Aliás, essa escolha ficou evidente quando o tal vídeo da NBC de 11 anos atrás deixou isso bem claro. Não estou chamando isso de movimento tendencioso. Entendo que foi feito o papel de mostrar à nação quem era esse candidato.

Assim como foi importante abordar a polêmica dos e-mails que Clinton se envolveu, sendo este uma das pedras no sapato da candidata.

Fato é que, contra tudo e contra todos (incluindo as pesquisas, que mais uma vez erraram), Donald Trump é o novo presidente dos Estados Unidos.

Mandando um “chupa” para todo mundo.

 

 

Todos nós perdemos

 

O mundo civilizado perde.

Donald Trump prega um discurso protecionista e separatista que definitivamente não funciona no mundo de hoje. É algo preconceituoso em vários níveis e inconsequente nas declarações e posturas.

Afinal de contas, os mexicanos estão bem longe de serem os culpados do fato dos Estados Unidos não estarem tão bem como gostariam.

E… na boa? Uma pessoa que trata mulheres como objetos apenas porque tem dinheiro deveria ser preso.

Nós, pessoas de bem, perdemos hoje.

Para o norte-americano médio, é mais grave ter uma mulher mentirosa do que um homem misógino, sexista, xenofóbico, homofóbico, separatista, preconceituoso, arrogante e prepotente.

Isso para mim revela um pouco do caráter de boa parte dos cidadãos de uma das maiores democracias do mundo.

De novo: o problema não está na democracia, mas sim nas pessoas.

Não podemos culpar a democracia pelo fato das pessoas não saberem utilizá-la.

 

Enfim… boa sorte para todos nós a partir de 2017…