Eu adoro o Twitter e o Facebook. São ferramentas incríveis para você se comunicar com as pessoas, falar daquilo que pensa e até mesmo fortalecer oportunidades de negócios. Pelo menos procuro fazer isso com os meus blogs na internet.

Mas sei que sou polêmico, que minha língua (e meus dedos no teclado) não possuem travas, e que quando me enfezo, eu REALMENTE falo aquilo que penso. Mas tenho o cuidado de manter isso numa zona “segura”, nas minhas contas pessoais das redes sociais ou no meu blog pessoal. Dessa forma, crio o processo de “auto destruição”, sem envolver os projetos que eu trabalho.

Acho que todo mundo tem direito a ter uma opinião, como pessoa física, que paga impostos (elevados), e que possui um mínimo de raciocínio crítico sobre as coisas que acontecem ao seu redor. Não me acho uma pessoa inteligente (se eu realmente fosse, minha vida estaria bem diferente), mas pelo menos me posiciono sobre o que vejo, ouço e leio. E entendo que o fato de ter dois blogs/podcasts com relativa visibilidade na internet não me impedem de ter um posicionamento isento sobre alguns assuntos, certo?

Bom, eu penso assim. E é assim que deveria ser. Só que não é bem assim.

Infelizmente, algumas pessoas insistem em confundir a “pessoa física” da “pessoa jurídica”. O fato de dizer certas coisas em minha conta do Twitter não quer dizer que sou um vagabundo e irresponsável. O TargetHD e o SpinOff são provas disso. São blogs que no ano que vem vão completar cinco anos de vida, que andam com suas próprias pernas, com boa visibilidade na internet, e que mostram pelo menos o meu objetivo de cumprir com meus compromissos, com minha disciplina pessoal de postagens regulares… enfim, que pelo menos procuro fazer um trabalho bem feito e responsável.

Acho engraçado com as pessoas realmente acreditam que, pelo fato de “você ter o seu próprio negócio”, que você precisa ter “papas na língua”, filtro verbal e freio moral. Ok, é preciso ser educado sempre, e procuro ser (desde que não venham me dizer, a troco de nada que “o seu trabalho é uma bosta”). Agora, não ter o direito de me expressar como bem entender nos meus canais pessoais de comunicação é um pouco demais, não?

Os blogs são independentes. São patrocinados eventualmente, mas em essência, são independentes. Não sou bancado por nenhuma grande empresa para ficar escrevendo posts diários falando bem de produtos e serviços. Optei pela liberdade editorial, e isso vem dado certo. Tento manter uma imparcialidade sobre os assuntos que escrevo nos blogs temáticos, mas nos meus canais pessoas de comunicação, eles PRECISAM ser pessoais. Precisam ser de “censura livre”. Senão, não faz sentido.

Logo, um conselho para quem confunde a “pessoa física” com a “pessoa jurídica”: esqueça isso. Todo mundo fala besteiras, todo mundo fala bobagens, e o que compartilho em minha timeline são as bobagens do meu dia a dia. Isso não quer dizer que sou um desocupado completo, um irresponsável ou inapto a realizar um bom trabalho nos meus outros blogs.

Confundir as duas pessoas, além de ser uma perda de tempo, é um preconceito ridículo. Mas é só a minha opinião. Você é livre para pensar e dizer o que quiser. Por que eu não posso ser?