Parece, mas não é. A aparência é de uma barata verdadeira, mas ela é uma barata mecânica. O inseto foi criado pela universidade Case Western Reserve, em Ohio, EUA, e uma equipe de especialistas está muito próxima de desenvolver uma barata cibernética.

Capitaneados pelo especialista em química Daniel Scherson, eles revelaram a receita ideal para extrair energia das substâncias presentes no interior do inseto, o que significa que em breve poderão criar baratas robóticas. Eles introduziram uma série de enzimas no organismo do pequeno animal, para que a comida ingerida por ele se transforme em elétrons, que podem se transformar em eletricidade, para dar vida aos seus circuitos.

Diferente de outras criações, a graça do projeto está no fato que, graças a este sistema, não é necessário introduzir nenhum tipo de fonte externa de energia (como por exemplo a luz solar ou uma bateria). A única questão que fica é se realmente não poderia ser escolhido um outro animal para esses testes.

Via The Huffington Post