Windows 10 S

 

A Microsoft até que tem uma interessante proposta com o Windows 10 S. Um sistema operacional que trabalha em modo sandbox, mas mais completo do que o Chrome OS, oferecendo mais possibilidades para os usuários educacionais.

Subsidiar os computadores que recebem essa versão do seu sistema operacional e facilitar o upgrade para o Windows 10 Pro para quem quer obter todos os benefícios e funcionalidades também são medidas bem vindas para uma empresa que quer agradar a todos.

Porém, não dá muito para entender por que a Microsoft restringiu tanto as funcionalidades do Windows 10 S, sendo que o sistema nem é imune ao ransomware.

Um especialista de segurança contratado pelo ZDNet confirmou que o Windows 10 S não só não é imune ao ransomware, como qualquer pessoa pode assumir o controle da máquina com um simples macro do Word, com um ataque via DLL.

Não estou falando de uma tática complexa de infecção. Falo de algo bem simples de ser alcançado, onde qualquer usuário com conhecimentos médios de informática podem tomar o controle do dispositivo, com um arquivo de texto que pode chegar à máquina através de um pendrive malicioso.

A principal restrição oferecida pelo Windows 10 S é se limitar a aceitar apenas os aplicativos da Windows Store. Softwares de outras fontes não serão aceitos no sistema. Até aí, consigo entender.

Mas coisas como não poder modificar o motor de busca ou o navegador padrão, não permitir antivírus de terceiros, o bloqueio de uma série de comandos que na versão completa são comuns para tarefas específicas, e até o cmd.exe ser vetado por completo nessa versão… são restrições difíceis de serem compreendidas.

Se é para ficar sem ter acesso a tanta coisa em um computador que basicamente só serve para navegar na internet, é melhor usar logo o Chrome OS ou até mesmo adotar o Linux. Ao menos o sistema operacional do pinguim dá mais liberdade, e o software da Google dá conta do recado para as tarefas mais básicas.

O pior de tudo é que o Windows 10 S está em rota de lançamento, ou seja, muito provavelmente tais restrições não serão retiradas na versão final do produto.

E, diante de tudo isso, fica difícil comprar a ideia desse sistema operacional.

Prefiro ficar com o Chrome OS mesmo. Me entrega o que promete, e atende bem as minhas necessidades mais básicas como usuário conectado.

O Windwos 10 S é feito usuários bem básicos. E o pior de tudo é que é justamente para esse grupo que ele deveria ser mais seguro.

Mas infelizmente, não é.

Seria a hora da Microsoft rever os conceitos do sistema operacional enquanto ainda tem tempo? Antes do lançamento? Ou lança a versão assim mesmo, e sofre as consequências da escolha?

Se deixar o Windows 10 S do jeito que está, dá até para imaginar um êxodo de usuários para o Windows 10 Pro. Talvez seja até isso o que a Microsoft quer. Mas investir em uma nova versão que deveria tomar de assalto o mercado educacional, mas que pode naufragar…

Enfim… o tempo dirá.