Minha experiência com o Xbox 360 está sendo a melhor possível. Ao longo de 2011, eu planejei a compra do console para o final do ano, mas quando vi o dólar subindo de forma enlouquecida, não tive dúvidas: peguei as economias e comprei o console (na época, não sabia que o produto seria fabricado no Brasil). E não me arrependo!

Tudo bem, não jogo tanto quanto eu gostaria. Mas do pouco que consigo utilizar, ele me garante boas horas de diversão. Se comparados aos consoles das gerações passadas, as diferenças de recursos são gritantes, mas a diferença mais destacada é a qualidade da imagem. O produto mostra claramente que para extrair toda a qualidade de imagem possível, precisa de um cabo HDMI para reproduzir o conteúdo do console. E esqueça os conectores tradicionais. Você não vai precisar deles.

O Xbox 360 está conseguindo algo que não esperava: me fazer planejar a compra de um PlayStation 3. Eu imaginava que não necessitava dos dois consoles, mas fato é que o PS3 é um dos consoles mais vendidos do mundo (mesmo com todos os problemas da PSN), sem falar nos jogos exclusivos da plataforma de games da Sony. Fiquei um bom tempo com o PlayStation 2, que me garantiu ótimas horas de diversão. Além disso, seria mais um item de tecnologia em casa. E convenhamos, quem não quer isso?

Agora, uma coisa é fato: o Kinect não é algo “de Deus” (brincadeira, hein…). O sensor de movimentos da Microsoft deu uma sobrevida ao Xbox 360, oferecendo novas possibilidades de jogos e recursos multimídia. O periférico funciona conforme prometido, e mesmo em jogos considerados casuais, como o Kinect Sports, a diversão é garantida, e a mecânica dos jogos segue de forma fiel a proposta do jogo.

Porém, nada é tão perfeito quanto a proposta de Dance Central. Estou com as duas versões do jogo, e ambos aproveitam o melhor do Kinect. Algo que eu disse na demonstração do produto há dois anos, na E3 Games, se comprova na prática.

“Agora, os nerds sabem dançar!”

Qualquer pessoa minimamente coordenada consegue produzir boas rotinas de dança, sem muitas dificuldades. Isso é praticamente um milagre dentro do mundo dos games. Ainda mais para alguém de uma geração que viveu jogando seus jogos preferidos sentado no sofá. Na verdade, continuo sendo um sedentário que prefere a comodidade do sofá. Mesmo porque, temos ótimos jogos a serem controlados com o joystick (principalmente FIFA 12 e F1 2011). Mas não posso negar que o Kinect revolucionou o mercado, tal como o Nintendo Wii fez na época do seu lançamento.

Não pretendo adquirir o PlayStation Move. Acho meio restritivo e limitado. Não estou dizendo que é ruim. Só afirmo que, para mim, não vai rolar. Afinal de contas, quer liberdade maior que “olha, mamãe, sem as mãos!”? Na minha opinião, não. Mas, de qualquer forma, a Sony pode agradecer à Microsoft. Vai ganhar mais um cliente para seus consoles de games graças à performance de um produto concorrente.

Uma das vantagens daqueles que pretendem comprar um console hoje é poder adquirir o produto fabricado no Brasil, e com garantia. Esse pode ser um excelente atrativo para os usuários que querem uma garantia a mais, apesar do lendário problema das “luzes da morte” não acontecer mais.

Enfim, minhas férias serão regadas com muita jogatina. Mesmo falando sobre o Xbox 360, recomendo que você passe as festas de final de ano jogando os seus jogos preferidos em um bom console, ou no computador. Afinal de contas, pode ser melhor do que passar com aquele primo chato (que vai tentar jogar PES 2012 com você), ou com aquela tia pegajosa (que vai pedir pra ver o especial do Roberto Carlos em Jerusalém, que já passou, justo na hora que você quer jogar Gears of War 3).

Não seria a hora de você comprar outra televisão para você?