apple-samsung-pic-1316827123.jpg

Muitas vezes, essa história de “guerra de patentes” não é nada do que parece ser. Nem de longe. Como você bem sabe, Apple e Samsung não estão se bicando faz tempo, com os sul-coreanos se transformando em uma pedra no sapato de Tim Cook e sua turma no segmento mobile (smartphones e tablets), com a Apple já sofrendo os efeitos colaterais. Logo, não é surpresa que os californianos vejam com preocupação a avassaladora projeção crescente das vendas dos coreanos, com a grande variedade de dispositivos Galaxy que hoje inundam o mercado.

Soma-se à isso as agressivas campanhas de marketing da Samsung, que claramente atingem o consumidor final. A Apple se defende como pode, levando os coreanos para os tribunais ao redor do planeta.

A guerra é aberta, e na última semana, foi possível mais uma vez medir a temperatura no campo de batalha. Como eles fizeram isso? Simples: apresentaram os seus relatórios financeiros. E como em toda batalha que se preze, temos vencedores e vencidos. Ou não!

Gerou polêmica quando alguns sites de tecnologia publicaram a seguinte manchete: “Samsung destrona a Apple como fabricante de smartphones mais lucrativa”. Outros veículos ligados ao mundo tech também geraram falatórios com a manchete “Apple supera as expectativas de vendas do iPhone, antes do lançamento do próximo modelo”. Nos dois casos, nem tudo o que reluz é ouro, e é importante ler o que está nas entrelinhas de cada manchete.

Nem tudo é tão feliz ou triste para as duas empresas. Tanto Samsung quanto Apple foram muito bem no segundo trimestre de vendas de 2013, cada uma à sua maneira. Ao mesmo tempo, as duas empresas contam com um sinal amarelo ligado, por motivos diferentes.

A Samsung lucra mais hoje que a Apple no mercado mobile. Por outro lado, eles precisam de um verdadeiro exército de smartphones, dos mais diferentes modelos e tamanhos, para praticamente superar um produto: o iPhone. Será que vale a pena pagar esse preço para liderar o mercado mobile?

Essa quase obsessão da Samsung faz com que dois itens essenciais sejam esquecidos pelos coreanos: 1) o mercado de telefonia móvel está próximo do ponto de saturação, com cada vez menos usuários necessitando de um novo produto; 2) na luta pelo mercado de smartphones premium, a Samsung se descuidou das linhas inferiores, com uma maior margem de crescimento.

O segundo fator fez com que outros fabricantes roubassem cota de mercado da própria Samsung (segundo informa a última análise divulgada pelo IDC). E, como você bem sabe, a Apple perde pouca cota de mercado, uma vez que o iPhone não é um modelo de entrada (e já tem público cativo).

Mas a grande má notícia para a Samsung (segundo o The Next Web) está no fato que o segmento de telefonia móvel avançada está deixando a conta dos asiáticos cada vez mais cara. A empresa gastou nada menos que US$ 400 milhões na divulgação dos seus smartphones top de linha, e isso apenas nos Estados Unidos. Ou seja, a Samsung está no seu limite para promover seus produtos, mas descuida por deixar que outros modelos menores roubem o seu mercado.

Resultado: as ações da Samsung perdem valor. Lentamente. Pode ser o mais rentável fabricante de smartphones do planeta, mas paga um preço alto por isso. E não sabemos até quando essa relação vai se sustentar.

Mas calma. Vamos agora ver o que acontece com a Apple.

Tim Cook e sua turma estão com sérios problemas. A Apple é acusada de não mais inovar ou se reinventar, e isso acontece faz tempo. O iPhone é um produto que, quando uma nova versão é lançada, já chega ao mercado “envelhecido” nas suas especificações e inovações. Os rivais da empresa (a.k.a. Android, pois os demais sistemas não são ameaça por enquanto) apresentam produtos cada vez mais atraentes, e no caso específico dos tablets, o iPad já mostra os primeiros sinais de fadiga, depois de dominar o mercado de forma humilhante.

Na verdade, todo esse panorama sombrio e quase apocalíptico se restringe na prática ao iPad, que necessita urgente de um novo produto para se recuperar. As vendas do iPhone (que foram recorde nesse segundo trimestre de 2013) ajudaram a segurar as pontas da empresa, mesmo sendo um volume de vendas pior do que aquele alcançado no mesmo período em 2012.

Mas, diferente da Samsung, os investidores da Apple já contavam com isso. Não só estavam preparados para as tais perdas controladas, mas se viram surpresos em ver números muito melhores do que o esperado.

Resultado: as ações da Apple subiram após a apresentação dos seus números.

A saturação do mercado de telefonia móvel é, hoje, a grande pedra no sapato da Samsung. Pedra essa que a própria Samsung colocou em seu sapato. No objetivo de desbancar a Apple no segmento de smartphones top de linha, a empresa “ficou cega” para esse importante aspecto do mercado.

Por outro lado, a Apple se movimentou de forma mais ágil. Passou a ignorar o embate direto com os coreanos, se centraram um pouco mais nos mercados emergentes (iPhone 4 8 GB no Brasil a menos de R$ 1 mil… quem diria que um dia eu veria isso…), e planeja oferecer os seus smartphones para um novo segmento de compradores (com um suposto iPhone de baixo custo). Sim, amigos: o iPhone 4 ainda faz caixa para a Apple.

E isso tudo sem o suposto iPhone 5S ser oficialmente anunciado (algo que deve acontecer ainda nesse terceiro trimestre de 2013).

Porém, se essa é a vitória da Apple sobre a Samsung, é uma vitória “agridoce”, uma vez que o alarmante declive do iPad em um mercado que é cada vez mais crescente (mercado de tablets) joga água no chope de Tim Cook.

Como podem ver, existem vencedores e vencidos. Dos dois lados.

Para mais informações, acesse: WSJTNWThe VergeTelegraph