A coisa mais próxima de Venom na vida real | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Gadgets » A coisa mais próxima de Venom na vida real

A coisa mais próxima de Venom na vida real

Compartilhe

O que você está vendo neste post é uma espécie de limo magnético, que foi criado com a ideia de ser introduzido no corpo humano para buscar objetos e salvar vidas. E eu sei que isso é horripilante, por mais nobre que seja a sua missão.

Esse robô foi criado pelo professor Li Zhang, da Universidade de Hong Kong, e é considerado um feito no desenvolvimento dos robôs baseados em ferrofluidos. Além de se mover de acordo com o controle do usuário, ele pode adaptar a sua forma para transportar pequenos objetos.

Sério, nada está ajudando a me tranquilizar nessa descrição…

 

 

 

Ele é do tamanho de uma bola de pingue pongue

Temos aqui um ‘soft robot’ com características viscoelásticas peculiares. Ele foi construído a base de partículas magnéticas de álcool polivinílico, bórax e neodímio. Ou seja, ele tem partículas controladas por ímãs e pode alcançar a velocidade de deslocamento de incríveis 30 milímetros por segundo. Uau!

Ele começa como uma gota do tamanho de uma bola de pingue pongue, mas pode se adaptar para qualquer formato. O robô pode entrar em locais com até 1.5 mm de espessura, e pode se estirar em até sete vezes do seu tamanho original, além de poder se conectar por todos os lados e ser auto reparável.

Por enquanto, esse robô ainda não pode ser utilizado no corpo humano (graças a Deus) porque suas partículas são tóxicas. Porém, a ideia é envolver o dispositivo com silicone para que ele seja um pouco mais seguro. O objetivo é que a pessoa faça a ingestão oral do dispositivo para que ele entre em ação no organismo.

 

 

 

A inspiração foi mesmo o Venom

Quem confirma essa peculiar informação é Sun Mengmeng, um dos autores do estudo que resultou nesse limo robô assustador:

“Quando vimos Venom, sentimos que essa habilidade era o que queríamos: encontrar algo com boa capacidade de deformação e boa adaptabilidade ao ambiente. Partimos daí para encontrar o material e depois o transformamos no robô de lodo”

Na verdade, esse tipo de tecnologia não chega a ser uma novidade. Ela existe a algum tempo, mas só recentemente estão estudando para um uso aplicado na medicina, algo que é um desafio enorme por conta de suas propriedades físicas.

E eu estou com medo. Fato. Deixo o registro neste post dos meus temores.

E no futuro, não reclamem se a humanidade se transformou em um monte de pessoas parecidas com o Venom, mas muito mais robóticas e potencialmente mais talentosas que o Tom Hardy.

Coitado do Tom Hardy… ele só fez (e muito bem) aquilo que mandaram. Ou que pagaram para isso.

Tanto faz.


Compartilhe
@oEduardoMoreira