Eu tenho um Xbox 360. Minha missão para 2013 é ter um PlayStation 3, mas isso pode ser abortado caso a Sony realmente anuncie um novo console no meio do ano, conforme é especulado. Mas o fato é que, no momento, eu estou muito satisfeito com o console da Microsoft. Mais do que eu esperava. Na verdade, muito mais do que eu poderia supor. Mas devo confessar que eu não sou o tipo de gamer que foi o alvo da Microsoft para eles virarem o jogo do mercado dos videogames, saindo de uma verdadeira piada que era o primeiro Xbox, para o console mais popular dos principais mercados mundiais, posição essa ocupada pelo protagonista desse post, o Xbox 360.

Se olhamos lá atrás, em 2001, quando Bill Gates decidiu jogar o primeiro Xbox no ato do seu lançamento, em um dos telões gigantes da Times Square em Nova York, vimos um console promissor, mas cheio de problemas. O maior deles? A relação custo/benefício. O console era avançado demais, mas com poucos títulos, uma funcionalidade prática questionável, e um volume de vendas que ficou bem abaixo do esperado. Mas a Microsoft seguiu o esquema “devagar e sempre”, comendo pelas beiradas. Afinal de contas, 24 milhões de unidades vendidas não é algo que pode ser desconsiderado.

O primeiro passo para a virada do Projeto Xbox no mundo dos games foi o lançamento da Xbox Live, em 2002. No começo, ela não era uma rede lá muito útil, mas depois de dez anos, ela virou “a alma” do Xbox 360. Mesmo cobrando para permitir a interação dos jogadores através da internet (mas, convenhamos, R$ 89 por ano não é nada para quem gasta quase R$ 800 por um console, vai…), ela é hoje uma proposta muito interessante para expansão da experiência de jogo, e mais: rende boa parte dos lucros das produtoras de jogos e da própria Microsoft. Afinal de contas, para alguns títulos, é quase impossível não adquirir os pacotes de expansão, e alguns jogos na Live contam com preços muito menores que aqueles cobrados quando ofertados na mídia física. Eu mesmo adquiri o HD de 250 GB pensando nessa possibilidade, e não me arrependo.

O próximo passo veio com os títulos exclusivos. Não que os seus principais concorrentes já não fizessem isso (fazem, até hoje), mas também impulsionou muito nas vendas do console. O Xbox tem que agradecer de joelhos o fato da série Halo existir. Muitos jogadores ficaram com o Xbox por causa da série Halo, e continuaram com o Xbox 360 também por causa dessa série de jogos. A série Forza é outra responsável pelo sucesso do console. Ok, muitos preferem a série Gran Turismo (eu mesmo prefiro), mas a série Forza Motorsport evoluiu muito da versão 3 para a 4, e Forza Horizon é um jogo simplesmente espetacular.

Até que, finalmente, veio o Kinect, que fez o que era considerado impossível: “roubar” os jogadores casuais da Nintendo, que já tinha reinventado a roda dos videogames com o Nintendo Wii. Muitos podem criticar pelo fato da Microsoft ter deixado de lado os gamers mais “hardcore”, alvo inicial do Xbox/Xbox 360 para priorizar os jogadores casuais. Mas até a Microsoft sacou que era a grande oportunidade de não só atrair os jogadores casuais, mas as pessoas que nunca jogaram videogames na vida, e não apenas para jogar videogames, mas para controlar a sua televisão, os arquivos multimídia, ver vídeos no YouTube ou Netflix, assistir os eventos esportivos da ESPN, navegar na internet… enfim, ser a efetiva central de entretenimento doméstico que o PlayStation 2 prometia desde os anos 2000, mas com uma experiência muito mais intuitiva, prática, e dispensando o controle remoto.

Resultado: o Kinect é o gadget que mais rápido se vendeu na história. Simplesmente isso.

Hoje, em pouco mais de um ano do Xbox 360, eu já tenho um bom acervo de jogos físicos e salvos no HD do console. Tudo bem, eu procuro muitas promoções de jogos, e sempre busco comprar títulos físicos em um preço abaixo do seu valor sugerido. Mas na Xbox Live você encontra ótimas promoções, com preços realmente muito abaixo da média do mercado. Até mesmo os jogos que são oferecidos em MS Points podem ser um bom negócio (normalmente são jogos da linha Arcade). Hoje, jogo bem mais os jogos de videogame do que antes, e entendo que com outro console não investiria tanto. Quero dizer, acho que com o PlayStation 3 o investimento seria o mesmo. Mas isso eu só vou descobrir em 2013.

A Microsoft foi do desastre ao triunfo no Projeto Xbox, e hoje tem o console mais popular do mundo. Se não é o mais popular para você, é outra história. Mas ele é o mais vendido dos principais mercados mundiais, e isso é o que está contando nesse momento. Acredito que o Kinect deu uma bela sobrevida ao Xbox 360, mas também imagino que a empresa de Redmond não vai levar muito tempo para apresentar o seu sucessor. Afinal de contas, o Xbox 360 vai completar 8 anos de vida em 2013, e no mundo da tecnologia, isso é uma eternidade.

Mas o ano só está começando. Vamos esperar a E3 2013 em junho, e o suposto anúncio da Sony em maio. Muitas águas vão rolar nesse ano. Até lá, eu sigo jogando Forza Horizon.