Ir ao conteúdo

A Noite do Jogo (2018) | Cinema em Review

Compartilhe

Nada como uma boa comédia. O problema é encontrar uma boa comédia. Muitas prometem, mas nos esgotam antes do fim. Ultimamente, as comédias de ação estão sabendo lidar melhor com suas diferentes facetas, e as comédias em estado puro fracassam nesse objetivo de fazer rir.

A Noite do Jogo flerta com esse medo. Felizmente, o bom roteiro e a química do seu elenco impedem que ele deixe de ser divertido, inclusive quando tudo fica um pouco mais convencional.

O ponto inicial do filme é bem curioso: um grupo de amigos que organizam uma noitada jogos, onde alguém é sequestrado e os demais precisam encontrá-lo. Porém, para nossa alegria, o roteiro não se complica demais nos argumentos, confinando que os personagens vão cumprir com a missão de prender o espectador nos acontecimentos do filme. Para isso, temos protagonistas suficientemente bem definidos.

Os próprios atores apresentam seus personagens e sua personalidades, revelando o quão fácil ou difícil é lidar com eles, entregando os recursos cômicos necessários, mas sem excesso.

Isso também se aplica na dinâmicas dos três casais, com protagonistas que precisam lidar com os problemas para se tornarem pais, seus amigos afro-americanos com um incidente do passado, e os colegas de trabalho com óbvias diferenças intelectuais.

 

 

A Noite do Jogo nunca se complica demais com isso. É claro que alguns detalhes poderiam ser melhores, mas em linhas gerais, o filme funciona bem com suas pequenas tramas, oferecendo bons momentos cômicos ao conjunto.

Jason Bateman sempre funciona bem no papel de pessoa de bem com algum trauma que o deixa com complexo de inferioridade, e Rachel McAdams tem luz própria ao apoiar isso. Mas seus colegas de elenco também se destacam, com um Kyle Chandler sempre cheio de carisma e os demais secundários colaborando bem com a história. O plot twist no último ato do filme ajuda a amarrar tudo de forma exemplar.

A Noite do Jogo tem viradas curiosas e divertidas, com algumas delas um pouco forçadas (mas explicadas nos créditos finais), mas nunca alcança o ponto de ser irritante ou desconectado dos eventos que ocrrem no filme. Aqui, há uma combinação dinâmica da comédia com as pitadas de thriller que ganham força à media que o filme avança.

Em linhas gerais, o filme opta por manter-se simples para não saturar, pois as diferentes situações em que os protagonistas são envolvidos poderiam cansar o espectador se fossem supervalorizadas. Um falso plano-sequência bem inspirado permite um passo além na proposta, reforçando o lado mais cômico de uma situação muito tensa.

 

 

Por fim, A Noite do Jogo é uma comédia muito acima da média do que vemos em Hollywood hoje. Não é um dos filmes que você vai lembrar quando você fizer a sua lista das comédias mais divertidas de sua vida. Mas é um filme que passa voando, com um elenco inspirado, e o crossover temível de comédia com thriller de ação funciona melhor do que o esperado.

Pode ser diversão garantida para muita gente.

 

 

<center<


Compartilhe
Publicado emResenhas e Reviews