Seja pela perspicácia, seja pela teimosia, a Samsung sempre seguiu as suas próprias ideologias. Por isso, em algumas oportunidades, a empresa adotou novas tendências muito tarde. Vide a câmera traseira dupla, que chegou um ano depois da moda pegar.

Agora, a Samsung quer passar na frente dos outros, com o Galaxy A9s (ou Pro), com a câmera traseira quádrupla.

Porém, o leitor de digitais na tela, algo adotado por vários fabricantes menores, parede que vai mesmo ficar de fora no Galaxy S10. Pior: o modelo pode perder um item muito valorizado por muitos usuários, que é o conector para fones de ouvido de 3.5 mm.

E esses dois itens podem decepcionar os fãs da Samsung. E muito.

Um Galaxy S10 “capado” nos detalhes pode ser um tiro no pé gigante da Samsung, ainda mais em um cenário onde a própria Samsung era bem vista por ainda manter o conector de 3.5 mm, ao mesmo tempo que os concorrentes chineses estão colocando os itens considerados inovadores, como o leitor de digitais na tela…

…e a Samsung insiste em não arriscar em inserir a sua solução.

Se tudo isso se confirmar, os usuários da Samsung ou terão que utilizar fones Bluetooth, ou terão que utilizar um dos detestados adaptadores USB-C.

Ainda falta um bom tempo para a apresentação oficial do Galaxy S10, e entendo que só vejo motivo para começar a entrar em pânico (ou a gritar na porta da Samsung) quando os primeiros vazamentos de imagens do futuro dispositivo começarem a pipocar na internet.

Nem precisa ser Sherlock Holmes para concluir que esse modelo vai vazar na web de forma enlouquecida. E, nesse momento, as perguntas começam a ser respondidas. Até lá, tudo é especulação pura.

Porém, se a Samsung for conservadora demais com o Galaxy S10, ele pode ter enormes dificuldades para convencer o consumidor que o dispositivo vale a pena. Se o Galaxy S9, que é excelente, teve resistência, que dirá um S10 capado.

Vai ficar difícil para a Samsung.