113673527_2GG

Quando foi anunciada o fim da joint-venture entre Sony e Ericsson, muitas pessoas afirmaram (quase que de forma categórica) que a Sony não conseguiria seguir adiante com o seu segmento mobile. Que iria se concentrar mais com as linhas de TVs e entretenimento doméstico (videogames) e que o negócio dos smartphones seria relegado a um segundo ou terceiro plano. Ledo engano de quem pensou assim: a Sony aprendeu muito bem as lições aprendidas com a Ericsson, e sua linha de smartphones vai muito bem, obrigado.

Observando as últimas propostas anunciadas pela fabricante japonesa, vejo que mesmo tendo um longo caminho pela frente, eles estão com produtos bem interessantes para um público cada vez mais exigente com o design e com a qualidade final do dispositivo. O Sony Xperia ZQ está recebendo muitos elogios pelos materiais empregados na sua construção, pela qualidade de sua câmera, pelo seu design, e por uma proposta visual chamativa, que visa convencer o consumidor que o seu Android mais potente é bem diferente dos concorrentes.

Hoje (24), chegou ao mercado brasileiro o Sony Xperia L, novo modelo de linha média na versão single chip SIM, mas que pode fazer barulho junto ao consumidor, ameaçando alguns dos seus concorrentes de preço. O lançamento de hoje conta com um processador Qualcomm Snapdragon dual-core de 1 GHz, 1 GB de RAM, 8 GB de armazenamento (expansíveis via slot para cartões microSD), tela de 4.3 polegadas, NFC e sistema Android 4.1.2 Jelly Bean. Ou seja, é um típico Android de linha média.

Porém, com uma interface voltada para o entretenimento, linhas de design diferenciadas e um valor de R$ 819, ele entra na briga com modelos como o Motorola RAZR D3 (mesmo que esse conte com o tal dual-chip SIM), com o Samsung Galaxy S II Lite (que ainda está no mercado), e com o LG Optimus L7 II.

Veja bem, não estou olhando ainda para a qualidade de um ou outro modelo, ou se esse é melhor que aquele. Estou apenas colocando lado a lado os modelos, e de forma fria, colocando o fator preço como primordial (até porque esse é o item que decide a compra para a maioria).

Não vejo a Sony como líder de mercado de smartphones tão cedo. Aliás, a briga contra a LG e a Nokia será bem acirrada. Mas vejo ao menos a fabricante se esforçando com lançamentos interessantes. Ao ver alguns reviews sobre alguns dos seus lançamentos, e vendo todo o empenho da fabricante em oferecer produtos com uma melhor performance e propostas de preço competitivas, entendo que a fabricante ao menos está se esforçando para fazer parte dessa disputa.

O único problema é a constância dessas propostas da Sony. Afinal, eles já “abandonaram” (não de forma oficial) o mercado de tablets, e no cenário atual, ela ainda precisa conquistar espaço junto ao consumidor. Mas se o insucesso vier, não será por culpa exclusiva dos lançamentos. Até porque os novos modelos lançados entram em pé de igualdade com os principais produtos do mercado.

Resta o consumidor se convencer que a Sony é uma alternativa válida.