Adele abriu guerra contra o modo aleatório do Spotify, e venceu | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Internet » Adele abriu guerra contra o modo aleatório do Spotify, e venceu

Adele abriu guerra contra o modo aleatório do Spotify, e venceu

Compartilhe

Não é a primeira vez que um artista renomado abre guerra contra o Spotify. Taylor Swift parece ter criado escola quando abriu fogo contra praticamente todas as plataformas de streaming de música, e Adele parece ter apontado suas armas contra o serviço mais popular desse segmento, mas por motivos diferentes.

O Spotify funciona assim: você ouve uma música na plataforma e, tanto o artista quanto o serviço de streaming se beneficia disso, obtendo os lucros dessa reprodução. Porém, Adele não está muito feliz com a funcionalidade que é, talvez, a que melhor define o comportamento no consumo de música da atual geração: a reprodução aleatória.

 

 

 

Adele está falando em causa própria

E nem poderia ser diferente.

Adele, como qualquer pessoa que quer ganhar dinheiro em função da promoção de um novo disco, está pensando neste momento em impulsionar o lançamento de “30”, seu mais recente álbum.

A cantora criticou que o Spotify prioriza a reprodução e o consumo de músicas dentro do serviço no modo aleatório no lugar da reprodução sequencial, que é o que ela considera o mais adequado para escutar as suas obras completas ou álbuns.

Esse raciocínio é mais associado à era dos discos de vinil e CDs, onde você comprava a obra completa e acabava ouvindo as músicas em sequência. E, em alguns casos específicos, até faz sentido, como em “American Idiot”, do Green Day. Esse disco é uma Opera Rock que deve ser ouvido na sequência, pois conta uma jornada única do começo ao fim, com seus capítulos separados faixa a faixa.

Adele usa o mesmo argumento: em seus discos, a ordem das canções existe por algum motivo, e aquela sequência está lá porque tem uma razão de ser. E o Spotify não estaria respeitando a sua visão criativa.

Por outro lado, Adele ignora a liberdade de escolha do consumidor de música atual, que está mais do que acostumado a ouvir as músicas em sua playlist de modo aleatório e randômico. Ou pelo menos faz isso desde o lançamento do iPod Shuffle, em 2005.

Tá, sei que não foi a Apple que lançou o modo aleatório nos players de MP3. Ele existe antes disso. Mas foi o iPod Shuffle que massificou esse formato de consumo musical.

Então, eu pergunto: como modificar os hábitos presentes nas pessoas há pelo menos 15 anos?

 

 

 

O que o Spotify respondeu?

O Spotify respondeu Adele de forma imediata, e ajustou a plataforma para que o modo aleatório deixasse de ser o prioritário e visível na parte superior, deslocando a função para a parte inferior de cada álbum.

Dessa forma, quem quer usar o modo aleatório de reprodução de música terá que se deslocar para a parte inferior do álbum para isso.

Bom, pelo menos o Spotify não eliminou o modo aleatório. Mas…

É sempre importante lembrar: Adele está falando em causa própria.

Com o modo sequencial, a cantora vai ganhar pela reprodução de cada faixa do seu novo álbum, aumentando de forma considerável os lucros do seu novo álbum e dos demais disponíveis no Spotify. Afinal de contas, se ela não pode aumentar os lucros de forma direta com o serviço, pelo menos motiva o usuário a ouvir o álbum “como deve ser”.

E isso não tem nada de errado, ao meu ver.


Compartilhe