Ainda bem que essa novela finalmente acabou!

Muita gente esperava o AirPower. O carregador sem fio da Apple seduziu a muitos que aspiravam ter o conjunto iPhone + Apple Watch + AirPods (essas pessoas são tradicionalmente chamadas de milionárias ou geeks pobres endividados, pois só os dois grupos conseguem tal combinação), já que o carregador sem fio prometia carregar os três gadgets de forma simultânea.

O AirPower foi anunciado pela Apple em setembro de 2017, e naquela oportunidade, a empresa prometeu a sua chegada ao mercado para ao longo do ano de 2018. Como bem sabemos, a própria existência desse post por si mostra que isso não aconteceu, mas várias referências indicavam que o lançamento do produto estaria iminente. Um desses indícios estava na caixa dos novos AirPods anunciados recentemente, que faziam referência à compatibilidade com a base de recarga sem fio.

O que chamava a atenção do AirPower era a sua inteligência. O produto foi anunciado como o grande salvador revolucionário do carregamento sem fio dos dispositivos do ecossistema da gigante de Cupertino, distribuindo a energia de forma inteligente para três dispositivos da empresa com características de recarga diferentes.

Levando em conta todo o hype criado em torno desse produto (especialmente o hype criado por Tim Cook, que falou mais do que devia sobre o mesmo), temos nessa decisão de morte anunciada do AirPower uma grande decepção para os fãs da Apple. O principal problema que o carregador teria apresentado em sua fase de testes estaria nas três bobinas incorporadas que estavam provocando um superaquecimento no acessório.

Olhando por esse lado, é um alívio o fato do produto não chegar ao mercado. Pense na quantidade de acidentes que os usuários poderiam ter com um acessório de recarga com características assassinas, que pode superaquecer o dispositivo perto do usuário, que teria contato direto com as mãos com esse produto.

Com isso, a Apple se salvou ao não lançar um produto problemático no mercado. Poderia ser muito pior se os problemas com o AirPower aparecessem nas mãos do usuário, sem qualquer tipo de notícia mais ostensiva por parte dos responsáveis pelo software.

Agora, pense: o que poderia acontecer com o mau uso do dispositivo? Seria um verdadeiro desastre para a Apple, que tomou a decisão mais sensata do mundo ao retirar o produto do mercado sem sequer ele estrear.

Por outro lado, estamos diante de mais um produto caro que não chega ao mercado. A Apple nunca anunciou o possível preço do AirPower, mas considerando todos os seus aspectos técnicos, o carregador que morreu era atraente, poderia custar até 150 euros (na troca de um smartphone antigo), mas que jamais vai entregar ao consumidor os benefícios práticos do produto.

Poucos conseguiram ter um AirPower para chamar de seu. E para quem conseguiu ficar com uma unidade desse dispositivo, eu respeito a sua decisão, e afirmo que foi um prazer conhecer você. Boa sorte!