Compartilhe

Eu não sei quem é Amber Liu. E não me julguem por isso. Pois não saber quem é ela é pura ignorância da minha parte.

Ela pode ser importante para você, e é seu direito.

Porém, é preciso deixar bem claro que, em plena semana de consciência negra no Brasil, a declaração de Amber Liu sobre a prisão de um negro nos Estados Unidos que estava apenas comendo um sanduíche, cujo único critério considerado pelo policial para tal ação foi a cor da pele não é um reflexo de sua ignorância sobre como funciona o conflito racial naquela nação.

Dizer que o rapaz negro “mereceu ser preso” por comer um sanduíche é sim racismo.

 

 

E eu até acredito no pedido de desculpas. Mas…

Amber Liu pediu desculpas. E até estou propenso a acreditar na sua versão dos fatos (desconhecer as questões raciais nos Estados Unidos, e em como isso piorou nos últimos dez anos).

Mesmo assim.

 

 

 

Vivemos em um mundo globalizado. A internet aproximou as pessoas e oferece hoje ricas fontes de informação e conteúdo. As pessoas hoje contam com o poder de difundir notícias com uma velocidade impressionante, e apenas as pessoas muito seletivas não tomam conhecimento (ou ignoram) o aumento da tensão racial nos Estados Unidos, especialmente depois que Donald Trump foi eleito presidente daquela nação.

Mas vamos descartar por completo a falta de interesse na informação e acreditar por alguns segundos na suposta ignorância de Amber Liu sobre a questão.

Ela mesma confessa em seu comunicado nas redes sociais que cometeu “um julgamento rápido”. E qualquer negro sabe que “julgamento rápido” significa “pré-conceito”, ou opinião previamente estabelecida sobre uma determinada situação.

Até podemos considerar que Amber Liu não tem o mesmo tipo de racismo daquele ser que deu tapa na minha cara me chamando de “negro de bosta” em um evento social. Ela não é o pior tipo de ser humano que vou encontrar na vida.

Porém, Amber Liu possui o que muita gente que eu conheço tem dentro de si e, em alguns casos, nem se dá conta disso: o racismo estrutural.

 

 

Explicando o racismo estrutural para quem não conhece

Esse tipo de racismo aparece quando você é confundido com um segurança de uma festa quando na verdade você é um convidado. Ou quando confundem você com um garçom de restaurante apenas por estar vestido de preto e branco.

É a ideia previamente concebida que todo negro está ali para servir você.

De novo: eu não conheço Amber Liu, e até acredito que ela apoia de verdade o #BlackLivesMatter e que vai aprender alguma coisa com esse episódio.

Porém, como um negro (e o único que pode realmente interpretar as suas palavras com precisão), eu afirmo: Amber Liu não foi ignorante.

Ela foi racista mesmo.


Compartilhe