Compartilhe

android-6.0-marshmallow-2

Existe a tradição (nada bem vinda) do sistema operacional Android ser um devorador de recursos de hardware, principalmente de RAM e bateria. No quesito bateria, vários placebos podem ser adotados para resolver o problema, e a própria Google já tomou providências sobre o assunto, com o novo modo Doze. Aparentemente, essa questão está parcialmente resolvida. Mas… e a questão do consumo de RAM? Como fica?

Oficialmente, nem a Google, nem os especialistas em tecnologia falam muito sobre esse tema. Até porque o Android Marhsmallow está presente em apenas 2.3% dos dispositivos Android distribuídos no mercado, e a grande maioria deles são modelos top de linha, que não precisam se preocupar com o consumo de recursos ou de RAM. Porém, alguns fabricantes estão dando a entender que a nova versão do sistema operacional consegue um bom desempenho com apenas 1 GB de RAM ou menos.

Um exemplo.

Recentemente testei o LG K10, recente lançamento da LG para o mercado de linha média. Esse já conta com o Android 6.0 Marshmallow, processador octa-core e 1 GB de RAM. Durante os testes, o modelo até se comportou bem em um uso mais básico (navegação na internet, acesso às redes sociais, chamadas, gerenciamento de contatos, registro de fotos e vídeos, visualização de vídeos e jogos básicos). Porém, em um uso mais exigente, principalmente na execução de jogos pesados, ele se apresentou insuficiente. O jogo Real Racing 3 fechou sozinho em pelo menos três oportunidades, por conta da ausência de RAM que já era ocupado por outros programas rodando em segundo plano, ou pela própria atividade do sistema operacional.

A tendência é que outros fabricantes de dispositivos farão apostas semelhantes para os segmentos de entrada e linha média. Na teoria, eles entendem que o Android Marshmallow está otimizado o suficiente para rodar bem com pouca quantidade de RAM. Porém, essa mesma teoria é contrariada quando vemos modelos como o Galaxy S7 e LG G5 oferecendo uma quantidade absurdamente grande de memória, apenas para garantir a experiência de uso mais fluída possível.

Então… por que os fabricantes estão ‘regulando mixaria’ em um aspecto da configuração que é considerado vital para uma boa experiência de uso? Qual é o objetivo disso?

Screenshot_2016-02-18-16-25-48

Não quero aqui acusar fabricante nenhum de forçar a barra em um aspecto que, honestamente, poderia ser feito de outra forma. Mas é algo realmente que me custa a entender o real motivo disso. Ainda mais nesse caso, onde todos os principais concorrentes de preço do LG K10 contam com, pelo menos, 2 GB de RAM. Alguns deles igualmente atualizáveis para o Android 6.0 Marshmallow.

Não que você não possa utilizar o Android com apenas 1 GB de RAM. Eu mesmo utilizei bem o modelo da LG com essa especificação. Porém, como disse lá no começo: é um uso bem básico e simples. Típico dos usuários de entrada. E eu bem sei que os usuários de linha média já contam com um perfil de uso mais avançado. Não se limitam a ficar apenas no Facebook e no WhatsApp. Assistem vídeos em HD, rodam jogos um pouco mais elaborados e outras tarefas que exigem do Android e do hardware do dispositivo, mesmo que em um nível inferior ao dos usuários hardcores.

Logo, é de se pensar. Será que essa será a tendência? Os usuários de linha média vão ter que se virar com 1 GB de RAM? Será que o Android Marshmallow é tão milagroso assim?

Na minha primeira experiência com a nova versão, posso dizer que: o milagre tem limites nesse caso.


Compartilhe