Muitos gamers são muito competitivos, mas nenhum jogo vale o risco de se envolver em problemas na vida real. Mas como nem todas as pessoas pensam assim, eu acabo escrevendo posts como esse. Um jovem norte-americano de 26 anos de idade foi condenado a 20 anos de prisão, por vários motivos. Mas tudo começou com uma aposta no game Call of Duty.

A sequência de acusações contra o rapaz é vasta, e a gravidade de cada uma delas vai se alternando de acordo com as chamadas realizadas ao 911. Um desses incidentes ocorreu em 2017, e resultou na morte de um homem no Kansas. E tudo teria começado com uma simples aposta com um valor relativamente baixo em Call of Duty.

 

 

A aposta deu errado, e resultou em uma vingança desnecessária

 

A aposta não deu muito certo, e um dos jogadores decidiu se vingar do outro. Tyler Barris sabia onde o seu rival de Call of Duty morava, e se passou por ele quando ligou para as autoridades. Na chamada telefônica, ele afirmou que tinha assassinado o seu pai, e que naquele momento mantinha o restante da sua família sob sequestro.

Uma equipe da SWAT apareceu na casa do suposto acusado, e matou um inocente que nem teve ideia do que estava acontecendo, e o seu único crime foi jogar Call of Duty com um babaca que não aceita perder uma aposta. Não foi revelado se esse foi um caso do tipo “atirar primeiro e fazer perguntas depois”, mas o agente envolvido no incidente não foi acusado criminalmente, embora a família da vítima tenha processado a cidade pela tragédia.

O autor da chamada telefônica falsa, que agora tem 26 anos de idade, foi detido pouco depois do tiroteio, e se confessou culpado de 51 acusações no ano anterior, com várias denúncias falsas realizadas por ele, incluindo chamadas para o 911 relatando ameaças de bomba em vários locais importantes dos Estados Unidos.

Nem preciso dizer muita coisa aqui: existe louco para tudo, e imbecil também. Uma vida perdida por causa de uma aposta no Call of Duty é muita futilidade.

 

Via Associated Press