Compartilhe

Eu adoro Friends. Para mim, mesmo depois de 25 anos, ainda é uma das melhores comédias de todos os tempos (melhor que How I Met Your Mother… desculpe se vou machucar o seu coração, mas estou dizendo para você uma verdade inescapável). Mas esta não é uma série perfeita. Como nenhuma série é (desculpa, fãs de Game of Thrones).

Estou maratonando Friends na Netflix (enquanto a série ainda está nessa plataforma), em um ritmo de três episódios por dia (um pouco mais nos finais de semana). E como estou assistindo todos os acontecimentos em sequência, não sou afetado pelo intervalo de uma semana entre um episódio e outro. Dessa forma, a impressão é que estamos acompanhando uma série com um ritmo muito mais linear.

E isso faz com que eu veja a série de outra forma. Não apenas relembrando acontecimentos, mas obtendo outras impressões sobre como tudo aconteceu. E isso faz com que você encontre defeitos que os seus olhos não conseguiam enxergar no passado.

Um exemplo breve do que eu estou falando (porque eu quero entrar logo no tema desse post): Monica e Richard terminaram por um motivo besta e quase instantâneo. Não teve uma DR profunda ou tempo para que o conflito se desenvolvesse. Em apenas um episódio, Monica disse para Richard que gostaria de ser mãe, ele não curte a ideia, e os dois se separam.

O Eduardo Moreira de 1997 ficou arrasado com essa separação, enquanto que o Eduardo Moreira de 2019 entendeu que isso só aconteceu porque não dava para pagar mais o alto salário de um astro do porte de Tom Selleck.

Mas o que realmente me irritou ao assitir Friends em 2019 foi o que deu origem a esse post: Ross e Rachel JAMAIS DEVERIAM FICAR JUNTOS!

Eu explico.

 

 

Que raiva que esse casal me dá…

 

 

Ross e Rachel ficaram juntos por exatos 12 meses. Essa relação durou um longo e quase eterno ano. Depois disso, os dois viveram de idas e vindas, flashbacks safados e até filho rolou nesse meio tempo, mas voltar de vez mesmo só no episódio final da série, sete anos depois dessa primeira relação.

O Eduardo Moreira de 1997 realmente achava que eles foram feitos um para o outro. Mas isso porque o Eduardo Moreira do passado era um cara idiota, que só olhava para o próprio umbigo (até porque tinha uma barriga enorme) e não tinha um olhar atento para os detalhes como ele tem hoje. O Moreira de 1997 era muito chato.

Tão chato quanto o Ross.

 

 

Já o Eduardo Moreira de 2019, com 40 anos nas costas, um casamento de 12 anos e meio que acabou e com uma compreensão muito maior da alma feminina entende perfeitamente que esse casal nasceu para o fracasso. Mais: acredito que, se um revival de verdade de Friends realmente acontecer, Ross e Rachel não estão mais juntos. Pois eles nunca deveriam ficar juntos no final das contas.

Durante mais de 20 episódios que Ross e Rachel ficaram juntos, não teve UM EPISÓDIO SEQUER QUE ELES NÃO BRIGARAM! Tá, tudo bem, eu sei que no mundo real os casais brigam (na maioria dos casamentos que eu conheço brigam o tempo todo). Mas ao longo desse tempo todo, muita gente insistiu na história que os dois eram “feitos um para o outro”.

Mentira! Balela!

Eles são incompatíveis em tudo! Rachel era uma menininha mimada, filhinha de papai que, de forma muito válida e interessante, está aprendendo sobre como é viver no mundo de verdade, e crescendo com isso. Aliás, a personagem interpretada por Jennifer Aniston na série é aquela que apresenta a maior curva de evolução entre todos os protagonistas.

Já Ross é o insuportável pseudo perfeito, que acha que está certo em tudo, tomou o toco da esposa que era lésbica (ou melhor, ela constatou que é melhor assumir quem ela era na essência do que viver sufocada com uma pessoa como ele), tem um emprego estável que não evolui para lugar nenhum e, o mais grave de tudo isso: possui um comportamento possessivo, egoísta e absurdamente tóxico.

 

 

Como um homem NÃO DEVE SER

 

 

Ross é o exemplo a ser seguido do COMO NÃO FAZER.

Durante o ano que namorou Rachel, Ross teve um comportamento infantil e egoísta em alguns momentos, possessivo e tóxico em vários outros, e tudo isso disfarçado em um “amor verdadeiro” que, na verdade, era uma paranoia que beirava ao ser stalker. No mundo normal, Rachel teria ido para uma delegacia para denunciar as práticas obsessivas de Ross.

Não acho que Friends foi misógina de propósito. Acho que foi muito mais uma construção narrativa dos seus autores, pensando muito na personalidade e no passado de Ross, que tem um histórico de levar fora de tudo quanto é mulher, e quando finalmente aquela que ele sempre amou (ou melhor, que sempre quis ter como posse dele) decide corresponder aos anseios dele, ele não sabe o que fazer com ela. Ou melhor, não sabe como proceder.

Por outro lado, é até compreensível que alguém como Rachel se apaixone por alguém como Ross. Ela ainda está buscando um rumo na vida, se encontrando e se conectando com a pessoa que ela realmente quer ser. E Ross aparentemente tem aquele perfil protetor que uma mulher na situação de Rachel acaba abraçando com carinho e amor.

Porém, a própria jornada de evolução profissional e pessoal mostra que Rachel e Ross são incompatíveis. Porque nenhuma mulher moderna iria suportar um cara como ele. Nenhuma mulher suporta um cara assim.

E tudo isso fez com que eu repensasse a resposta para a pergunta de US$ 1 milhão (por episódio)…

 

 

Eles deram um tempo, mas… de quem é a culpa?

 

 

O babaca do Eduardo Moreira de 1997 colocou a culpa na Rachel durante muito tempo. Afinal de contas, ela pediu um tempo, Ross quis conversar com ela para resolver o problema, ele liga para Rachel, que atende o telefone e dá a bobeira de deixar Ross saber que Mark está com ela no apartamento. Ross fica puto da vida, acha que Rachel partiu para outra, decreta o fim da relação, ficou carente (ou se vitimizou, porque em nenhum momento ele pensou que ela pediu um tempo por causa do comportamento dele) e acabou dormindo com a menina do Xerox. Culpa dela, pois “quem não dá assistência perde espaço para a concorrência”, certo?

ERRADO!

Você até pode pensar que o conceito de fidelidade é muito mais amplo do que dormir com outra mulher. Eu mesmo acho isso: para mim, cumplicidade, respeito e amizade são mais importantes que o amor. Mas devemos respeitar o outro e seus conceitos de fidelidade. E para Rachel era um absurdo Ross ir dormir com outra mulher quando para ela o relacionamento não havia terminado.

Direito dela. Não podemos julgá-la por pensar assim.

Assistindo aos episódios em sequência, fica mais fácil de compreender que o que rolou mesmo foi uma grande falha de comunicação entre Ross e Rachel, algo que acontece com muitos casais por aí (é mais comum do que você pode imaginar, acredite). Porém, essa falha de comunicação acontecia com eles O TEMPO TODO. Repito: esse namoro durou um ano, e eles brigaram EM TODOS OS EPISÓDIOS!

Para mim, isso está bem longe de ser a perfeição. Até porque em um relacionamento saudável, se você briga apenas uma vez por mês, você já pode considerar uma vitória.

Logo, nessa história do “de quem é a culpa pelo dar um tempo”, dá para dizer que É DOS DOIS! OS DOIS SÃO CULPADOS!

 

 

Rachel deu a brecha para Ross fazer o que quiser. Se ela não queria um tempo na relação, não deveria ter verbalizado isso. Mesmo entendendo que ela não queria o fim do namoro, ao fazer isso, ela abriu a brecha para o amiguinho idiota entender qualquer outra coisa, inclusive que aquele era o fim. Ainda mais quando você atende o telefone com outro cara dentro do apartamento (aquele, que é o seu colega de trabalho cujo namorado possessivo está se mordendo de ciúmes).

Por outro lado, Ross não deveria ter ido para a cama com outra mulher. Nunca, jamais em tempo algum. Rachel não era perfeito para ele? Então… ele que reconhecesse que era um possessivo babaca idiota, pedisse perdão ou implorasse por misericórdia e tentasse mudar esse comportamento tóxico. Quem sabe Rachel, ao perceber o comportamento de mudança, não aceitava Ross de volta em condições minimamente normais?

Enfim, eu precisava compartilhar isso com você. Mesmo porque, ao longo dos anos, eu também fui mudando o meu comportamento e a minha percepção nos relacionamentos afetivos. E hoje eu vejo o quanto Ross e Rachel eram errados juntos. Nesse aspecto, Monica e Chandler, que são diametralmente diferentes nas suas personalidades, dão um banho no casalzinho mais amado da América nos anos 2000, uma vez que os dois decidiram completar um ao outro nas diferenças.

Desculpa se esse texto irritou você, mas eu só estou dizendo as verdades na sua cara. Reveja Friends na sequência e com um olhar mais observador, e você vai concluir a mesma coisa que eu: Ross e Rachel são um desserviço. Mulher nenhuma suporta um relacionamento com aquelas características.

E mulher nenhuma deve aceitar viver assim. Se você, mulher inteligente e independente, identificar que seu namorado, marido, amante ou seja lá o que for que vai para a cama com você é um Ross disfarçado, nem pense duas vezes: pule fora da relação, e coloque a culpa nele.

Não espere ele dizer UNAGI para você. Vai por mim!

 


Compartilhe