Assim é o Cristo Redentor escaneado em 3D | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Tecnologia » Assim é o Cristo Redentor escaneado em 3D

Assim é o Cristo Redentor escaneado em 3D

Compartilhe

“Cristo Redentor… braços abertos sobre a Guanabara…”

Este é o símbolo máximo do Rio de Janeiro e, por mais que você queira resistir a tentação de não visitar esse que é um dos monumentos mais conhecidos do mundo, vale a pena fazer a visita. Pelo menos uma vez na vida e, principalmente, depois que todo este pesadelo passar.

O Cristo Redendor está no topo do Corcovado, outro ponto muito conhecido do Rio de Janeiro, já que esse monte pode ser visto por toda a cidade. A escultura de quase 30 metros de altura foi construída em quase nove anos, e foi inaugurada em 1931.

É um dos cenários mais reconhecidos do mundo. E vai se tornar ainda mais, com a ajuda da tecnologia e da análise de de objetos em 3D.

 

 

 

O Cristo Redentor em 3D é algo sensacional

 

 

Se você não pode ir até o Cristo Redentor, ao menos veja a sua grandiosidade com a ajuda do escaneamento em 3D. A empresa GeoSLAM, especialista no assunto, decidiu escanear a escultura a laser, capturando nada menos que 180 milhões de pontos de dados.

E o resultado final foi algo espetacular.

É claro que a GeoSLAM usou drones para realizar o escaneamento do Cristo Redentor (algo óbvio, pois hoje usamos drones até para escovar os dentes), e isso permitiu que qualquer pessoa ao redor do planeta possa visitar visualmente o monumento.

 

 

A SLAM é uma tecnologia de localização e mapeamento simultâneo, que se valeu das aeronaves não tripuladas para instalar os sensores que escanearam o Cristo Redentor com tamanha riqueza de detalhes. A ferramenta responsável por essa coleta de dados é a ZEB Horizon, que é capaz de emitir até 300 mil pontos laser por segundo.

Dessa forma, foi possível escanear o Cristo Redentor de forma gradual e bem detalhada, o que resultou na construção de um modelo digital completo do monumento. Os dados são coletados e exibidos de forma muito clara, capturando a estátua com uma luz completamente nova, que praticamente ninguém teve a chance de ver, mesmo presencialmente.

 

 

 

Enquanto não podemos visitá-la, usamos a tecnologia para vê-la

 

O Cristo Redentor chegou a receber mais de 2 milhões de pessoas em 2020, mesmo com todas as limitações impostas pelos motivos que bem conhecemos. E ele é mais um dos motivos para superarmos a crise sanitária que estamos enfrentando.

Afinal de contas, o Cristo Redentor completa em 2021 nada menos que 90 anos de sua inauguração e, de alguma forma, é preciso fazer o registro desse feito. E que a solução venha logo ao menos para que aqueles que puderem possam visitar a estátua com segurança.

 

 

 

Via Lidar News


Compartilhe
@oEduardoMoreira