asus-zenfone-2

A CES 2015 acabou, e eu não falei desse pequeno monstro acima, o ASUS ZenFone 2. Do que eu li sobre o produto, ele chega para tentar brigar com o Motorola Moto Maxx, e mostrar ao mundo que não é só a Qualcomm que pode alimentar dispositivos poderosos. A Intel vem disposta a fazer barulho nesse aspecto, e encontrou na ASUS a parceia ideal para isso.

O que muita gente se perguntou é: será que precisamos de tudo isso?

Olha, eu acho que quem perguntou isso não é geek convicto. Como eu me considero um, eu respondo rapidamente que ‘eu quero sempre mais’.

Para a maioria, talvez não seja necessário carregar no bolso 4 GB de RAM. Aliás, esse foi o número que mais chamou a atenção no novo modelo da ASUS. Questões como tamanho de tela e um processador que era capaz de trabalhar em 64 bits ficaram em segundo plano. Essa ‘cereja do bolo’ dos 4 GB de RAM deu o tom das opiniões formadas. Isso, e o espaço de armazenamento que é bem generoso.

Pode ser que esses números generosos acabem levantando mais uma vez a discussão sobre a eficiência do Android em gerenciar recursos. Os Apple fanboys users mais inflamados dirão que o iOS roda muito bem sem precisar de especificações técnicas mais elevadas. Por outro lado, o iPhone custa mais caro. Logo… enfim, isso não vem ao caso.

O que realmente interessa é: quem vai usar todo o poder de hardware do ASUS ZenFone 2?

Provavelmente eu e você, que está lendo esse post. Os geeks mais hardcores, que querem se certificar que o desempenho do produto será algo perfeito e impecável. Quem não quer mais sofrer com engasgos, travamentos, paralisações críticas e outros tantos efeitos colaterais indesejáveis que já testemunhamos antes no Android.

É claro que outras questões precisam ser observadas, como a autonomia de bateria do produto, se a interface ZenUI vai pesar ou não (no ASUS ZenFone 5 que testei no final do ano passado, ela se apresentou bem competente), se a Intel vai continuar a fazer um bom trabalho com esse processador… enfim, as variantes são muitas, e é cedo para dizer que temos um novo smart top de linha no mercado que pode ser chamado de ‘um dos melhores da temporada’.

Mas as primeiras impressões são muito positivas. Até demais. Soa quase como um milagre natalino (tardio) o fato da ASUS ter colocado um hardware tão forte em um produto cujo preço inicial sugerido é de apenas US$ 199.

Só o tempo (e os primeiros reviews) vão dizer se a ASUS acertou ou não nesse lançamento. Por enquanto, recebe a hashtag #EuQueroEMuito (mas não abro mão do meu Moto Maxx, pois estou muito feliz com ele #MotoMaxxTheBest).