Compartilhe

Não, Crivella…

Não adianta tentar censurar conteúdos que não se alinham com as suas convicções pessoais. Na verdade, não adianta convencer as pessoas que todos precisam viver na sua bolha ideológica. Muito menos tentar impedir que vozes diferentes à sua se manifestem de forma livre.

Ainda mais em 2019.

Tentar retirar da Bienal do Livro do Rio de Janeiro conteúdos que vão contra a sua filosofia de vida não mostram apenas o seu autoritarismo diante de um mundo que é muito mais diversificado do que a sua mente pode conceber. Mostra uma irracionalidade e desrespeito às leis, que só se alinham com tudo o que eu penso a seu respeito, mas que pretendo me filtrar para não ter maiores problemas.

No seu hipotético discurso em “defesa às crianças”, você fez exatamente o contrário do que planejava: promoveu conteúdos que promovem a diversidade. E eu acho isso ótimo, pois as pessoas precisam ser livres para consumir o que quiser, ouvir a quem quiser, assistir filmes e séries por sua livre escolha, ler os conteúdos que lhe interessa, entre tantas outras liberdades que devem ser respeitadas e preservadas.

Todo mundo deveria ter o direito de amar quem quiser. Mas pessoas como você não aceitam isso.

Bastaram apenas 39 minutos para que todos os livros que você queria retirar da Bienal do Livro do Rio de Janeiro se esgotassem nas prateleiras do evento. Poucas vezes vi uma HQ da Marvel ser vendida tão rápido.

Valeu, Crivella. Tá fazendo direitinho, viu?

Agora, vê se para de encher o saco dos outros, e faz da cidade do Rio de Janeiro algo melhor. Cuide do povo carioca de forma decente e respeitosa. Respeite a população de uma cidade que só pode ter escolhido você por pura falta de escolha.

Ainda acredito que o carioca é bem melhor do que isso para escolher alguém como você para prefeito.

De novo, Crivella… deu errado. 39 minutos foram suficientes para superar a sua “ideologia” errante.

Repense os seus conceitos. A comunidade organizada pode superar você com muita facilidade.

E aplaudo a Bienal do Livro do Rio de Janeiro pela postura de não se curvar para seres repugnantes como o nobre prefeito da cidade maravilhosa.


Compartilhe