Compartilhe

Alguém está tirando o melhor de você?

Eu precisei confessar publicamente os meus piores erros. Os meus maiores pecados. Precisei expor a minha verdade à carne viva, não somente para mostrar a minha humanidade diante de um mundo de pessoas supostamente perfeitas. Mas para me curar. Para me libertar. Para encontrar o melhor de mim.

Eu ainda tenho os meus defeitos e limitações. Me desafio todos os dias a derrotar meus monstros internos, os bloqueios da minha mente. Os meus temores. O meu medo de fracassar.

Quando eu decidi expor tudo o que fiz de condenável, eu me tornei livre. Eu me perdoei. Fiz o que a maioria não tem a coragem de fazer. Quem sabe esse gesto possa estimular as pessoas que estão com o mesmo desejo interno de virar o jogo de sua vida a fazerem o mesmo. Aliás, prefiro entender que minhas confissões não foram um ato de coragem, mas sim mais um passo de meu processo de cura interna.

Durante muito tempo da minha vida, eu estava perdendo o melhor de mim. Por conta da influência das pessoas que não compreendiam minha essência. Por conta daqueles que não queriam ver esse melhor emergir e prevalecer. Por conta dos meus próprios temores, e até pelo receio de machucar as pessoas que estavam ao meu redor.

Durante muito tempo da minha vida, eu vivi a ilusão de que a melhor forma de conviver com as pessoas era através do eterno “agradar a todos”. Isso é impossível. Isso chega a ser burrice. É impossível um entendimento de pensamento, opiniões e atitudes que consiga atingir uma concordância com a grande massa crítica que conhecemos.

No final das contas, de tanto querer agradar a todos, eu não estava agradando a mim mesmo. Estava me limitando, condicionando a minha felicidade à felicidade de terceiros. Ao mesmo tempo, estava querendo colocar a minha felicidade nas mãos das pessoas erradas, e esse tipo de dependência emocional só te torna ainda mais infeliz.

Eu hoje sou livre. Sou livre para pensar e me expressar como eu quiser. Preservo a minha liberdade com todas as minhas forças. Não permito que terceiros assumam o controle da minha vida: fico sempre alerta para ter influências positivas próximas a mim, e não manipuladores que querem que eu me torne alguém que eu não sou.

Não perco mais o melhor de mim por causa de outras pessoas. Aliás, sempre acredito que o melhor de mim aparece a cada dia. Dia após dia.

Em cada projeto, cada atividade profissional, a cada novo texto nesse blog e nos meus sites. Tudo o que é realmente novo dentro da minha vida é o que representa o que há de melhor na minha existência. O novo me dá a chance de mostrar o melhor de mim ao mundo, de compartilhar o que tenho de mais valioso dentro de mim, e de absorver o melhor que a vida pode oferecer.

Talvez o meu melhor não seja exatamente os bons valores que eventualmente pode carregar, mas o meu desejo em jamais desistir de qualquer coisa que eu faço. De não mais me entregar diante das dificuldades, de não abaixar a cabeça para as críticas. De procurar não me abater com elas.

Talvez o meu melhor não esteja nas minhas vitórias, conquistas e realizações, mas sim em todas as vezes que eu lutei. Em todos os machucados e cicatrizes que hoje carrego no corpo e na alma. Em olhar para cada uma dessas marcas e me lembrar do quanto foi difícil chegar até aqui, e sorrir com isso. Ver que todas essas marcas são lições muito mais preciosas do que qualquer uma que aprendi em livros. Entender que a prática da vida é muito mais significativa que as teorias que tantos tentam lançar ao vento, sem vivenciá-las.

Quando eu decidi encontrar o melhor em mim e proteger isso com a minha vida, eu aprendi a ter fé em mim mesmo. Aprendi a combinar as minhas crenças pessoais sobre as coisas que só a fé em uma força maior podem explicar com as minhas convicções práticas, adquiridas com as lições da vida, com o mundo real. Eu não ignoro a presença de uma força superior, mas não mudo minhas convicções baseadas em tudo o que eu vi e vivi na vida. Em todas as coisas que mostram ao mundo o melhor de mim. Em tudo o que me trouxe até aqui.

O melhor de mim?

O melhor de mim é que hoje eu vivo. Antes, eu sobrevivia. Antes eu vivia uma falsa zona de conforto, que escondia o medo de arriscar, de ousar ou de tentar. Antes, eu vivia dentro das prisões que minha mente criou, alimentando os monstros e fantasmas que me tornavam um covarde completo. Antes, eu alimentava esses monstros com as opiniões de gente que jamais me ajudou. De pessoas que, pela completa falta de rumos e objetivos na vida, gastavam o seu tempo falando de mim pelas minhas costas.

O melhor de mim foi entender que havia um motivo para elas falarem pelas minhas costas: eu estar sempre na frente.

Para você, que está lendo esse texto, eu te desejo, de coração, que encontre o melhor que existe em você o mais depressa possível. E, a partir do momento que você encontrar o que é esse melhor, que a cada dia você torne isso o lema de sua vida. Uma realidade diária, a sua marca registrada. Que a partir desse momento você torne essa característica aquilo que tornará a sua vida algo especial.

E que me prometa que fará de tudo para defender esse seu melhor daqueles que querem te ver sofrer.

Quando você descobre o melhor de você, automaticamente você se torna livre para fazer o que quiser. Se torna você mesmo, pronto para dar e receber amor, solidariedade, companheirismo, cumplicidade e amizade. Com um pouco de sorte, algumas pessoas vão te amar e te admirar exatamente do jeito que você é. Vão gostar de você justamente por você ser assim.

É claro que algumas pessoas vão te odiar pelos mesmo motivos. Mas… faz parte do jogo. Você estará tão concentrado em fazer da sua vida algo realmente espetacular, que as pessoas que te odeiam serão apenas testemunhas das realizações fantásticas que você vai produzir na sua existência. Vão constatar a sua alegria e felicidade por você ser autêntico, e provavelmente vão te odiar um pouco mais.

É uma pena que algumas pessoas se envenenem com a felicidade alheia. São pessoas que mostram a pobreza de espírito de forma vergonhosa.

Em resumo: não deixem que tirem o melhor de você. Inclusive você mesmo.

O melhor de você pode estar pulsando dentro do seu coração, e você nem faz ideia disso. E cada um tem a sua forma de perceber esse melhor, seja nas experiências com o coletivo, ou durante uma introspecção pessoal.

Eu mesmo só me dei conta dos meus reais valores no meio do tumulto. Ou ouvindo uma barulhenta canção como essa, com uma letra que me despertou para o que realmente importa.

De qualquer forma, o meu conselho é: se encontre. E dentro de você, encontre o que há de melhor na sua essência. E compartilhe isso com o mundo.

E o mais legal de tudo isso é que, a cada dia, algo novo e bom deve acontecer, justamente por conta desse seu melhor dentro de si.

Hoje, para mim, foi esse texto. E todas as coisas que virão de bom em função dele a partir de amanhã.

Essa é a minha forma de ver o tempo todo que o futuro será melhor. É a minha forma de buscar a evolução.

É a minha forma de defender com a minha vida o que existe de melhor dentro de mim.




“Best of You”
(Dave Grohl, Taylor Hawkins, Nate Mendel, Chris Shiflett)
Foo Fighters, 2005


Compartilhe