Você não entende nada sobre a Petrobrás.

Nem você. E nem eu.

A diferença é que eu não vou aqui dar minha opinião sobre algo que eu não entendo. Mas eu entendo que você não é esse gênio da economia brasileira a ponto de entender o que acontece (ou o que aconteceu) na Petrobrás.

A única coisa que sabemos é que a estatal está quebrada. Financeiramente destruída. E que a ‘recuperação’ é jogada nas costas do elo mais fraco: a população.

É um cenário de caos poucas vezes visto no Brasil. Não me lembro de uma crise afetar todos os setores dessa forma. Confesso que meus blogs só estão de pé porque alguns dos meus clientes e serviços são internacionais.

Caso contrário, eu já estava com minhas atividades encerradas.

Não está fácil para rigorosamente ninguém.

Mas não ajuda em nada as pessoas baterem boca por conta do cenário atual. Discutir se a greve dos caminhoneiros é válida ou não é como chover no molhado nesse momento.

Acho que o problema está acima disso.

No meio de tanta verborragia nas redes sociais, vejo que a grande maioria ainda pauta a discussão baseada no seu próprio umbigo, protegendo os seus interesses.

Nem de longe tal postura resolve. Por outro lado, eu entendo.

No dia a dia, ficamos tão individualistas, que em momentos de crise, nós não conseguimos mais olhar para o problema para buscar uma solução que represente o melhor para a maioria, se não for para todos.

Mas… eu não vou abrir a minha boca para discutir as causa do cenário atual.

De novo, eu não entendo nada sobre a Petrobrás. Mas estou quieto.

Então, eu peço que você, que está aí compartilhando toda a sua genialidade sobre a economia atual… cala a boca, vai!

Você não está ajudando.

E o governo não vai contratar você para salvar o Brasil.

Comece a pensar em fazer a sua parte para ajudar a consertar tudo.

Escolhendo melhor o seu representante em outubro de 2018 é um ótimo começo.