Compartilhe

Andar a cavalo é coisa do passado ou de gente rica. A empresa de robótica japonesa fuRo usa robôs e inteligência artificial para tentar remodelar o futuro com o CanguRo, que vai muito além de ser um patinete elétrico ou triciclo elétrico. Ele é um RideRoid (Ride + Android), ou um robô montável. Ou um cavalo mecânico.

 

 

 

Humanizando a relação homem-máquina

 

 

O CanguRo é um robô que acompanha você para todos os lados, inclusive levando a sua mochila ou as compras do supermercado. E quando for necessário, se transforma em um veículo elétrico.

É o típico conceito japonês que tanto amamos, com robôs que buscam despertar a empatia com os humanos, se transformando em seus companheiros e com aparência de animais adoráveis ou humanoides.

Mas o CanguRo é, acima de tudo, um robô inteligente. Ele conta com um sistema LIDAR próprio, o scanSLAM, que usa câmeras e sensores para interpretar o seu entorno. Ele segue o dono por onde ele for, e pode fixar um ponto no Google Mapas para se deslocar para aquele local. Tal e como faria um cavalo carregando as cargas do seu dono.

Se você precisa de um transporte, o CanguRo se transforma em uma espécie de cavalo mecânico, onde o usuário pode montá-lo e pilotá-lo de forma similar a um triciclo elétrico.

É uma forma de aprofundar ainda mais a relação entre humanos e robôs, mas com a fixação clara nos cavalos. Quando você monta o CanguRo, ele emite pulsos similares ao das batidas do coração, que se aceleram quando você aumenta a velocidade. Assim, o condutor sente como o robô está se esforçando para realizar a tarefa e, quem sabe, se sensibiliza um pouco com a máquina.

Além disso, um mecanismo de force feedback produz nas mãos e nas pernas do condutor uma reação no movimento de giro durante um cavalo de pau, reforçando ainda mais a tal interação homem-máquina.

 

 

É claro que o CanguRo é um conceito bem interessante. Porém, ele ainda é um protótipo, e não tem previsão de chegar ao mercado. E o fuRo já alerta que estão tentando vender unidades falsas do produto. Ou seja, tem um golpe rolando por aí sobre um produto que sequer chegou ao mercado.

A galera da falsificação está bem esperta, hein?

 

 

 

Via fuRo


Compartilhe