Press "Enter" to skip to content
Início » Variedades » Canva apresentou um novo produto no ritmo do rap, e foi algo assustadoramente constrangedor

Canva apresentou um novo produto no ritmo do rap, e foi algo assustadoramente constrangedor

Compartilhe

Mais uma da série “o departamento de marketing da empresa recebeu dinheiro para fazer uma galera passar vergonha”. Algo bem comum no mercado de publicidade.

Para quem não sabe, a Canva (aquela mesma que você usa para fazer memes disfarçados de frase de reflexão) apresentou ao mundo o Canva Enterprise, uma ferramenta destinada à empresas com mais de 100 funcionários, oferecendo dessa forma uma solução universal para gerenciar a comunicação visual, a criação de conteúdo e a colaboração nos grupos de trabalho.

O produto é até bem pensado. O grande problema foi a forma que a Canva utilizou para apresentar a novidade: foi quase uma apropriação cultural involuntária.

 

A ideia soou melhor na cabeça deles…

O Canva Enterprise é bem interessante.

Ele possui recursos baseados em inteligência artificial generativa para transformar designs e oferecer uma maior comodidade no uso colaborativo, trabalhando com formas populares como Slack, Drive, Google Ads, SharePoint, Asana e outras para priorizar o trabalho colaborativo presencial e remoto, com uma promessa de uma maior segurança como um todo.

Certo. Fim da parte chata do texto.

O time de marketing do Canva teve a “espetacular” ideia de apresentar o Canva Enterprise com um rap, com o objetivo de viralizar o produto nas redes sociais. E isso aconteceu, mas não necessariamente do jeito certo.

O rap é divertido e tem ar nostálgico, mas foi considerado cringe por muita gente. Não foi exatamente a ideia mais original do mundo, mas aparentemente funcionou para a Canva, pois deu a visibilidade que o produto precisava.

Sinceramente? Não me agradou. Foi meio vergonhoso ver pessoas que, de forma genuína, não se identificam com o rap tentando fazer rimas maneiras em um cenário mais descolado.

E eu não tenho absolutamente nada contra a originalidade e a irreverência. Tanto, que estou tentando desesperadamente fazer isso nos meus artigos nos blogs.

 

Ser divertido e original é difícil

Não tenho nada contra campanhas de publicidade divertidas. Aliás, fui um daqueles que sempre apoiou o bullying que a Samsung fazia com a Apple por causa dos smartphones, e não vi nada de errado no polêmico comercial “Crush!” que a Apple fez para promover o novo iPad Pro (2024).

Mas devo reconhecer que é muito difícil ser original e divertido em um mundo onde tudo já foi inventado, e qualquer coisa que você tentar como algo novo é uma referência de alguma outra coisa.

Como é o caso do Canva Enterprise. O vídeo promocional do serviço me lembra os esquetes do The Lonely Island para o Saturday Night Live que, por sua vez, me lembra alguns covers do Weird Al Yankovic.

Nesse mundo do “nada se cria, tudo se copia”, as referências se tornam quase explícitas, o que dificulta a identificação da originalidade.

E sobre o “efeito cringe” que essa campanha publicitária causou nas pessoas, até consigo entender que o vídeo se tornou datado rapidamente. E pior: fica constrangedor quando as referências são feitas de forma forçada.

Até entendo a homenagem aos anos 80 e 90 e a clara aposta na nostalgia (já que são os geeks dessas duas décadas que mais vão utilizar o Canva Enterprise, pois hoje são adultos com dinheiro para gastar).

Mas se não são executadas da forma correta, se tornam referências caricatas, tirando a diversão de quem está assistindo.

De verdade… eu espero que alguém tenha gostado, pois para o meu gosto desceu bem quadrado.


Compartilhe
@oEduardoMoreira