Compartilhe

scorpion-cbs-logo

Eu já saquei qual é a sua, CBS… aliás, faz muito tempo que todo mundo sabe qual é a sua, mas só agora alguém está com coragem e disposição para escrever um post sobre isso. Nada pessoal, CBS, mas… é que quando pensamos nessa estratégia, vem uma preguiça danada para dedicar alguns minutos para falar sobre o assunto. Talvez o motivo dessa preguiça é porque, ironicamente, ela é eficiente demais para o meu gosto.

Se olharmos para a história da CBS, vamos ver que não é de hoje que o canal aposta nas séries procedurais, ou nos dramas policiais. Tal estratégia vem da década de 1970, e vem funcionando muito bem. Aliás, mais importante do que descobrir que sua audiência gosta de séries do tipo “polícia e bandido” é oferecer séries que vão fazer com que o telespectador volte todas as semanas para descobrir qual será a “forma criativa” que eles vão utilizar para pegar o bandido do caso da semana.

Mesmo que o resultado disso seja séries que, na sua essência, são todas iguais.

Ao assistir os promos das séries da próxima temporada, podemos mais uma vez dizer que a CBS, de forma até inteligente – de novo, não se mexe em time que está ganhando -, manteve a sua proposta de oferecer séries dramáticas com a mesma estrutura procedural, em quase todas as suas produções (a exceção aqui é Madam Secretary, e mesmo assim, ela busca ser o par perfeito para The Good Wife, e essa é uma decisão acertada), ou em spinoffs de sucessos que já estão no ar, ou em séries “inéditas”, que são combinações de outros plots de sucesso no passado.

O exemplo dessa combinação de plots potencialmente promissores está no caso de Scorpion. Afinal de contas, pegar temas como matemática, nerds e investigação criminal contra o tempo é basicamente a maneira mais “eficiente” de condensar elementos que o telespectador da CBS já está acostumado em ver no seu canal, e criar outro procedural, para a alegria dessa audiência. É eficiente? Com certeza. Mas é preguiçoso e pouco criativo.

Stalker é outro exemplo de como a CBS muda o tema, mas continua com a mesma estrutura de série. Uma especialista em perseguidores (que fatalmente foi stalkeada por alguém), recebe a ajuda de um especialista da pisquê humana (que fatalmente é um stalker) para perseguir os perseguidores. Uma espécie de The Mentalist, mas no lugar dos serial killers, temos os stalkers. Simples assim.

É claro que não posso afirmar por antecipação se vai dar certo ou não (se eu pudesse, eu já teria descoberto os números da Mega Sena, e esse blog não existiria mais), mas posso afirmar que as novas produções da CBS mostram apenas que o canal segue o mesmo, não vai mudar, e não tem por que mudar. É o que dá certo há pelo menos 30 anos, e agora que eles são líderes de audiência com as franquias NCIS e CSI, a tendência é que eles vão entregar mais do mesmo por muitos anos.

E nas comédias?

A CBS vai tão bem que pode se dar ao luxo de colocar séries no ar para serem descartadas, como é o caso de The McCarthys. Salvo uma surpresa embasbacante, a comédia da família unida que quer permanecer unida não deve engrenar na programação. Ou até pode dar certo: falamos horrores de The Millers, e no final das contas, é a comédia novata mais vista da temporada 2013-2014. Logo, não excluo a possibilidade de erros aqui.

Mesmo assim, o ponto é que a CBS tem hoje comédias tão estáveis, que pelo menos nesse começo de temporada 2014-2015, só vai apostar em uma comédia, trabalhando de forma mais intensa a sua manutenção nos dramas. Aliás, a CBS terá uma temporada mais confortável, pois com a chegada do futebol americano nas noites de quinta-feira (nos meses de setembro e outubro), o canal só tem que trabalhar nas noites que hoje eles não são líderes de audiência de forma absoluta: segundas e quartas.

Vejamos como o canal do olho vai trabalhar para mostrar aos demais que pode voltar a ser o #1 na audiência geral. Ainda mais com as cutucadas dadas pela NBC no final da atual temporada.


Compartilhe