ceo-lg-mobile

OK! OK! Eu aumento, mas não invento!

É quase uma notícia divulgada pelo Nelson Rubens dentro do universo da tecnologia. Bom, é melhor eu escrever sobre isso do que manchetes do tipo “Chico Buarque compra baguete em padaria do Leblon”. Mas fato é que estava demorando para os diretores do setor mobile se pronunciar sobre o que pensam sobre o novo iPhone SE, que por sua vez não passou indiferente para ninguém.

Dentre todas as opiniões emitidas, selecionei a de Juno Cho, CEO da LG Mobile (na foto que ilustra o post, o executivo que está ao centro), apenas para ilustrar como essas opiniões estão difusas.

Em um evento especial sobre o LG G5 realizado na Coreia do Sul, Cho foi questionado sobre o que ele pensa sobre o novo smartphone da Apple. E o CEO foi claro: “lançar um produto com a mesma velha tecnologia e características não é o estilo da LG”. Com isso, o executivo espera que, dessa forma, os usuários saibam valorizar a inovação e originalidade do seu novo smartphone, apostando no novo no lugar de equipamentos menos inovadores, incluindo o novo iPhone SE.

É preciso levar em consideração que tanto o LG G5 como o novo iPhone SE não podem se englobar em absoluto dentro da mesma categoria. O modelo dos coreanos é um novo top de linha, enquanto que o dispositivo dos norte-americanos é mais uma tentativa de oferecer um smartphone mais acessível, se distanciando dos modelos top de linha da casa.

Dito isso, falta um pouco de percepção de segmentação de mercado para Juno Cho, ao meu ver. A Apple não deu um tiro na água. Não está apostando errado. Está sozinha dentro do segmento de smartphones de 4 polegadas, oferecendo um hardware robusto e muito competente, algo que nenhum fabricante Android é capaz de oferecer hoje. Levando em conta os milhões de unidades que a gigante de Cupertino vendeu com esse tamanho de tela, posso até dizer que eles deram a volta em todo mundo, apostando em um fator que todos deram as costas.

Sem falar que chamar um hardware apresentado em setembro de 2015 como “velha tecnologia” é algo até pedante. Eu sei que o mundo da tecnologia evolui rapidamente, mas não podemos chamar o hardware do iPhone SE de velho. Pode não ser inovador (e talvez essa palavra se encaixasse melhor dentro do contexto explorado por Cho) e, mesmo assim, a ideia aqui não é inovar, mas sim oferecer uma alternativa mais acessível para esse grupo específico dos consumidores.

Estamos conversados?

Ótimo!