Compartilhe

O Samsung Galaxy Note 20 Ultra é uma realidade, se tornando rapidamente uma das referências entre os dispositivos Android de 2020 e, por que não dizer, para todo o mercado de smartphones nessa temporada. E isso não é um exagero: estamos diante de um dos telefones móveis mais completos do ano.

Porém, até o recém lançado Galaxy Note 20 Ultra vai receber concorrência de peso em breve. Um novo iPhone (por enquanto chamado de iPhone 12) será apresentado em breve, e deve ser a grande pedra do sapato no novo smartphone top de linha premium da Samsung, tal e como acontece em todos os anos.

Bem sabemos que o próximo smartphone da Apple já está pronto no seu conceito, e muito provavelmente já está em produção em alguma fábrica escondida na China (não conta isso para o Trump) ou até mesmo no México, uma das alternativas pensadas pela Foxconn para entregar a encomenda de dispositivos em tempo.

Mas não custa nada fazer um interessante exercício nesse caso.

O site MacRumors apresentou uma lista de cinco coisas que a Apple deveria copiar do Samsung Galaxy Note 20 Ultra para que o seu futuro iPhone tenha êxito no mercado. Algumas delas são especuladas com força, incluindo alguns vazamentos que foram divulgados recentemente. Já outras novidades são bem menos prováveis de acontecer.

Mas vamos colocar tudo assim mesmo, pois concordamos com os itens (e porque eu preciso de um post minimamente inteligente para alimentar esse blog).

 

 

 

Tela de 120 Hz

 

Os lançamentos mais recentes mostram que as telas de 60 Hz só devem permanecer mesmo nos modelos de entrada e linha média (a grande exceção aqui é o famigerado Samsung Galaxy Note 20, com carcaça de plástico). Os telefones de linha média premium recebem telas de 90 Hz. E qualquer smartphone top de linha premium de respeito deve receber uma tela de 120 Hz. O futuro iPhone precisa ter isso. Caso contrário, vai ser difícil competir com o Galaxy Note 20 Ultra.

 

 

 

PowerShare

 

Muitos adoram a recarga sem fio, e alguns já se acostumaram com a recarga reversa nos smartphones para recarregar fones de ouvido sem a necessidade de ter uma tomada por perto. Mesmo que esse não seja um recurso que você usa todos os dias, saber que ele está lá, pronto para quando você usar é um pequeno agrado dos fabricantes que faz bem para os usuários.

 

 

 

 

Multitarefa

 

É um pouco incompreensível que um iPhone 11 Pro Max não consiga oferecer dois ou mais aplicativos abertos ao mesmo tempo. O Galaxy Note já tem isso faz tempo, e é algo bem útil, principalmente nos aspectos de produtividade. Passou da hora do iOS, que é usado por muita gente no trabalho, em oferecer tal funcionalidade.

 

 

 

S-Pen

 

Tá, eu sei que essa aqui é bem difícil de acontecer, e que o corpo do iPhone não abria a Apple Pencil. Mas tornar o smartphone da Apple compatível com a caneta ou lápis ótico da empresa seria algo incrível, especialmente para ilustradores e profissionais gráficos. Além disso, Steve Jobs já morreu. Logo, se essa decisão for tomada hoje, ninguém na Apple vai levar chicotadas.

 

 

 

 

DeX

 

Ter um sistema em versão desktop, que pode ser utilizado de forma sem fio é algo muito cômodo e mais eficiente do que simplesmente espelhar a tela do dispositivo em um monitor. É uma nova intenção de uso profissional do smartphone, e a Apple está muito atrasada em oferecer uma experiência desse tipo. O iPhone é potente o suficiente para gerenciar uma proposta desse tipo, que ofereceria uma alternativa incrível para os usuários profissionais e mais produtivos.

 

 

Via MacRumors


Compartilhe