Compartilhe

O Collapse OS é um peculiar projeto de sistema operacional de código aberto concebido para usar em um cenário pós-apocalíptico, onde a eletrônica e a tecnologia que conhecemos simplesmente não existe ou não funciona.

Quem está desenvolvendo o Collapse OS é a Virgil Dupras, que imagina um futuro em 2030 onde a rede de fornecimento global foi derrubada por uma guerra nuclear, um desastre climático acaba com tudo ou as tecnologias assumem o controle de nossas vidas.

Neste cenário típico de filmes de ficção científica, não podemos produzir a maioria nossos eletrônicos por depender de uma complexa cadeia de fornecedores que não pode ser ativada por década em um cenário de caos.

Porém, a eletrônica ainda seria uma enorme fonte de poder político e social, oferecendo vantagens significativas às comunidades que querem seguir dominando tudo. Isso marca uma nova era de produtos eletrônicos, que não poderiam ser fabricados, mas contariam com milhões de chips espalhados pelo mundo, frutos de um lixo eletrônico acumulado por décadas.

Entre estes chips, temos os microcontroladores, circuitos potentes que incluem CPU, RAM, ROM e portas de entrada/saída, mas que precisam de ferramentas complexas como computadores para programá-los e no mundo pós-apocalíptico descrito não existiriam na forma que conhecemos.

 

 

Como é o Collapse OS

 

 

Nesse cenário, será bem útil um sistema operacional de código aberto desenvolvido para trabalhar depois do colapso. O Collapse OS funciona com microprocessadores Z80 de 8 bits, que são muito antigos mas que podem ser encontrados com facilidade em vários tipos de produtos eletrônicos. Além disso, o Z80 possui apenas 9.000 transistores, sendo assim muito mais simples de ser reprogramado que um processador moderno.

O Z80 (e não outros chips de 16 ou 32 bits) foi o escolhido por que ficou em produção por muito tempo e está presente em várias máquinas, ou seja, ele pode ser encontrado em qualquer lugar do planeta. Nesse momento, o Collapse OS pode ser executado em um computador homebrew baseado no Z80 chamado RC2014 e, em teoria, pode funcionar em dispositivos como, por exemplo, o Sega Genesis (ou Mega Drive).

O Collapse OS deve funcionar também em máquinas mínimas e improvisadas, interagir com teclados, telas e mouses (também improvisados), editar arquivos de texto, compilar arquivos fonte para uma grande variedade de MCU e CPUs, ler e escrever em uma série de dispositivos de armazenamento e replicar a si mesmo.

Para o seu desenvolvedor, é mais divertido terminar o desenvolvimento do software com outras pessoas, e abre a plataforma no GitHub para os interessados, que precisam ter habilidades com o Z80 e acreditar no na possibilidade de ocorrer o cenário de uso do Collapse OS.

Um projeto peculiar. Espero não precisar dele um dia.

 

Via Collapse OS


Compartilhe