Como atualizar o Windows 98 no espaço? | @oEduardoMoreira Press "Enter" to skip to content
Início » Software » Como atualizar o Windows 98 no espaço?

Como atualizar o Windows 98 no espaço?

Compartilhe

Não faz muito tempo que eu escrevi um post para o TargetHD.net com dicas para a atualização gratuita do Windows 8.1 para o Windows 10 de graça em 2022, e me perguntei se alguém poderia seguir utilizando essa tão odiada versão do sistema operacional da Microsoft. Então, o que eu devo pensar sobre o uso do Windows 98 em 2022?

Pode parecer algo (quase) inacreditável, mas algumas pessoas e instituições importantes ainda utilizam o Windows 98 como sistema operacional em seus computadores. É claro que o uso desse software acontece em condições absurdamente extraordinárias e sem qualquer tipo de respaldo por parte da própria Microsoft, pois o suporte oficial da versão acabou há muito tempo.

Agora, imagine a dificuldade que é atualizar um equipamento com Windows 98 que está funcionando no espaço. E, de quebra, sem deixar um dispositivo espacial de milhões de dólares inoperante em Marte.

 

 

 

O Windows 98 é um avô para os dias de hoje

O Windows 98 chegou ao mercado em 25 de junho de 1998. Ou seja, ele tem 24 anos de idade. Considerando o tempo da tecnologia (que nunca é o mesmo que o nosso tempo como seres humanos), ele é um autêntico idoso. Mas neste caso, ele é um idoso que merece respeito, e não aqueles que acreditam na Terra plana ou que ficam bradando que nem uns descontrolados “no meu tempo é que era bom…”.

De um modo geral, o Windows 98 foi um bom sistema operacional. Apesar de um começo um pouco traumático (um dos meus professores na faculdade de Análise de Sistemas entrou em choque quando atualizamos os computadores do centro de processamento de dados da instituição sem aviso prévio), ele complementou bem as novidades apresentadas pelo Windows 95.

Como usuário veterano de tecnologia, tive a felicidade de usar o Windows 98 durante um bom tempo da minha vida, instalando o sistema operacional em um computador com processador Intel Pentium 133 MHz, que entregava um ótimo desempenho com este software. Eram necessários entre 8 e 10 disquetes de 3.5 polegadas para concluir o procedimento, e naquela época esse era considerado um ritual sagrado, que deveria ser realizado com toda a calma do mundo.

Tenho boas recordações do Windows 98, e muitos usuários da minha geração também. A boa acolhida deste software se confirma pelo fato do sistema operacional ser utilizado tanto nos computadores de consumo ao redor do mundo, como também em grandes empresas, instituições bancárias, educacionais e, como podemos ver no caso deste post, em importantes missões espaciais.

O problema aqui é que o Windows 98 continua instalado e funcionando nesses computadores que são responsáveis por caros e gigantescos equipamentos que gerenciam objetos que estão na órbita da Terra lá no espaço, e isso pode ser um problema gigantesco para as agências que gerenciam esses caros equipamentos.

 

 

 

É uma sonda espacial que precisa ser atualizada. “Apenas” isso!

O que acontece é o seguinte: a sonda Mars Express tem pelo menos 19 anos de atividades no espaço. É através dela que a humanidade pode conhecer com maior riqueza de detalhes alguns aspectos importantes de Marte e de Fobos, incluindo tanto a superfície como a subsuperfície, a atmosfera e as condições ambientais de ambos.

Ou seja, a Mars Express não é apenas um pedaço de metal caro suspenso no espaço. Ela é uma importante ferramenta para expandir o nosso conhecimento e estudo sobre o espaço, nossos planetas vizinhos e suas condições, com dados que podem ser fundamentais para uma futura exploração do espaço e da manutenção da vida em ambientes teoricamente inóspitos.

Porém, é sempre importante reforçar que a Mars Express tem nada menos que 19 anos de vida. E conta com o Windows 98 como sistema operacional para gerenciar os seus diferentes instrumentos científicos e softwares especializados. E eu nem preciso dizer que passou tempo demais para uma atualização de software acontecer.

Todo o software relacionado com essa missão é baseado no Windows 98, e dizer que esse equipamento precisa de uma atualização é algo fácil e óbvio, mas extremamente complexo para um equipamento que está atrelado a algo tão específico como uma sonda espacial.

E um importante detalhe que precisa ser reforçado neste momento é que essa sonda está em Marte, e não no bairro vizinho ou em São Vicente, cidade onde a sua avó mora. E não tem nenhum sobrinho ou neto para ficar trocando os disquetes, CDs, DVDs ou pendrives no espaço.

 

 

 

Dá pra atualizar o Windows 98 no espaço?

Diante dos fatos apresentados, não é preciso ser um gênio para perceber que essa é uma missão muito complicada. Dá até para imaginar o Tom Cruise chegando para fazer essa atualização, ao som do tema da franquia de filmes “Missão: Impossível”.

Porém, não dá para dizer que a atualização da sonda Mars Express é algo exatamente impossível. A European Space Agency (ESA) desenvolveu um novo software que promete oferecer melhorias importantes para a Mars Express, como por exemplo a melhor recepção de sinal e no processamento de dados a bordo da sonda. E esses dois elementos são considerados essenciais para viabilizar um aumento de envio de dados a partir da Terra, com um salto importante para a estabilidade dos dados enviados.

Dessa forma, seria possível enviar um grande pacote de dados pelo espaço, incluindo os arquivos e pacotes de atualização de um sistema operacional. E você pode até pensar que isso seria algo muito simples de ser feito em uma transmissão via satélite (com a ajuda da tecnologia de Elon Musk talvez?), mas ainda estamos falando do upload de dados, algo que é deixado em segundo plano por boa parte das plataformas de transmissão de dados ao redor do planeta.

Dito isso, a fase prévia de desenvolvimento do novo software de gerenciamento de dados utilizou uma máquina virtual baseada em VirtualBox, o que indica que não foi realizado um desenvolvimento sobre um sistema operacional nativo. Isso foi feito principalmente para reduzir os custos do projeto e, ao mesmo tempo, garantir uma maior eficiência neste desenvolvimento de software.

A parte mais complicada do projeto foi encontrar uma maneira adequada para compartilhar arquivos entre o host e as máquinas convidadas, o que tornou extremamente complexo tarefas que são consideradas muito simples para qualquer computador doméstico ou empresarial nos dias de hoje. Por exemplo, instalar um editor de código fonte ou um navegador web que funcionasse no computador foi um verdadeiro desafio.

No final das contas, apenas para configurar e validar completamente um ambiente de desenvolvimento de software foram necessários exatos dois meses. Algo que em poucas horas pode ser feito no PC de qualquer pessoa em qualquer lugar do planeta.

Porém, de novo, estamos falando de uma sonda que está em Marte.

No final das contas, é algo surpreendente ver que uma sonda que já tem tantos anos orbitando ao redor de marte ainda utiliza um sistema operacional que foi lançado há 24 anos. Isso pode ser considerado também uma evidência da qualidade do Windows 98 em um ambiente inóspito, já que o software não deve ter apresentado problemas mais sérios em um local onde (teoricamente) ele está completamente isolado da internet.

Talvez esse seja o uso mais impressionante do Windows 98 ou de qualquer hardware ou software “vintage”. Se George R.R. Martin ainda utiliza um computador com editores de texto da década de 1990 e totalmente desconectado da internet para não ter os conteúdos dos seus livros vazados pela internet, o uso de um sistema operacional das antigas em uma sonda espacial pode ser considerado algo “normal”.

Tão normal quanto os aviões Boeing 747 ainda receberem atualizações críticas através de disquetes (e isso é bem mais perigoso do que sondas espaciais com Windows 98), ou o sistema de armas nucleares dos Estados Unidos também dependerem de disquetes para o seu pleno funcionamento até 2019.

Já pensou? Uma bomba nuclear desarmada a partir de um floppy disk?

E, nesse momento, metade dos leitores mais jovens estão procurando no Google o que significa os termos “disquete” e “floppy disk”.


Compartilhe
@oEduardoMoreira