Compartilhe

Como dimensionar um sentimento tão nobre como o amor?

Acho que pouco namorei na vida para comemorar o Dia dos Namorados. E, quando falo em namoro, não quero exatamente em dizer nos relacionamentos que eventualmente terminaram em sexo. Para mim, namoro é aquele período do relacionamento onde efetivamente procuramos conhecer a personalidade da pessoa, seus hábitos, costumes, manias, qualidades e defeitos. É o período de avaliação, onde os dois procuram descobrir se aquela pessoa que está procurando te conhecer pode ser aquela que será a sua companheira de vida nos próximos anos.

É claro que o Dia dos Namorados é uma data comercial. Muitos querem lucrar em cima dos sentimentos dos outros. Ainda mais em um período do ano em que é mais propício para ficar juntinhos, tomando um vinho, vendo um filme ou passeando pelas ruas. O outono é o período mais romântico do ano. Os casais apaixonados adoram isso.

Mas… será que amor tem preço? Ou melhor… será que dá para a gente dimensionar nossos sentimentos? Quantificar o amor?

Essa canção faz isso de forma belíssima. Jamais ousaria tirar os méritos de Roberto Carlos naquela que é uma de suas mais populares canções. Porém… será que não erramos quando perguntamos para a outra pessoa “o quanto você me ama?”

Durante muito tempo eu pergunte isso. Eu insisti na tendência de saber as medidas do amor que alguém sentia por mim. Seja pela insegurança de não me sentir amado, ou pelo tolo desejo de querer ter a certeza de que era amado em uma intensidade que justificasse todas as decisões que tomei em prol do amor que eu sentia pela pessoa.

Quando a gente cresce e amadurece, você entende que amor é doação. Você se dá conta que a maior lição que podemos aprender na nossa vida é amar e, em troca, amado ser (sim, estou citando Moulin Rouge em um texto, porque eu adoro esse filme). Mas compreende também que o que realmente vai te deixar feliz é simplesmente amar.

Lamento por aqueles que não dedicam amor a alguém. Por aqueles que, de tantas desilusões e decepções, desistem de dedicar esse sentimento especial a outro ser. Esses se esquecem que as decepções e infelicidades acontecem com todos. Todo mundo já teve o coração partido pelo menos uma vez na vida. Mas o desejo de receber amor é tão forte, que não desiste. Vai lá e dá amor para quem sente algo especial.

Porque a coisa mais legal que você pode viver é a experiência de pensar em alguém o dia inteiro. Se vestir para alguém, pensar se aquela pessoa vai gostar daquele prato que você está preparando com carinho, planejar um jantar fora com aquela pessoa amada, surpreender com uma viagem…

Eu sei. Estou falando de coisas materiais, que podem cair no erro de quantificar os sentimentos.

Mas eu quero que você olhe muito mais para o momento do que para o gesto.

Esses momentos de doação pessoal não tem como objetivo tornar alguém melhor diante dos olhos de outro alguém, mas sim oferecer aos dois a possibilidade de compartilhar de um sentimento único. Nunca é o o que você tem ou o que pode oferecer a alguém, mas sim o que você é, e o demonstrar para aquela outra pessoa o quanto ela é especial na sua vida.

E aí… vem o “amado ser”.

Com sorte (sim, digo que é sorte você encontrar alguém que entenda a profundidade dos seus sentimentos e atitudes), você vai ser amado exatamente da mesma forma que ama. Você será cuidado, protegido, amparado, consolado e celebrado. Com a mesma intensidade. Com o mesmo amor. Com o mesmo desejo de fazer você feliz.

Ah, sim… bem lembrado… a sua felicidade não está nas mãos da outra pessoa. Aprenda isso o quanto antes. Seja você alguém feliz bem antes de conhecer a pessoa que será feliz ao seu lado. Eu sei, é difícil ser feliz sozinho. Mas quando você se ama, isso é bem possível.

E, quando essa pessoa especial aparecer, ela muito provavelmente vai se apaixonar pela sua felicidade. E vai querer compartilhar disso ao seu lado. Quem sabe te fazendo ainda mais feliz a cada instante.

Desculpe se a essa altura do campeonato eu frustrei você em um texto no Dia dos Namorados, e em uma música tão memorável como essa. Talvez a minha visão mais critica sobre o amor não é a mais romântica para o dia de hoje.

Por outro lado, eu entendo que, nessa história de amar e amado ser, aprendi algumas coisas que valem a pena ser compartilhadas. A principal delas? Que o amor é o resultado de outros sentimentos muito importantes: amizade, respeito, cumplicidade, compreensão… são essas as coisas que levam alguém a amar alguém.

E, quando decidimos oferecer a amizade, a cumplicidade, o respeito e a compreensão de forma espontânea e natural…. estamos doando amor. Incondicionalmente. E eu entendo que essa é a verdadeira e única forma de amar alguém.

Quando chegamos nesse ponto, não medimos mais o quanto amamos aquela pessoa que, aos nossos olhos, é especial. Não medimos esforços, sacrifícios, renúncias. Vale qualquer coisa para ter aquela pessoa em um lugar especial em nossas vidas.

Quando chegamos nesse ponto, paramos de medir o amor. Paramos de pedir para saber o quanto as pessoas nos amam. Porque simplesmente sentimos o amor em nosso coração… e amamos.

Então, nesse Dia dos Namorados, eu deixo um pedido para você.

Não importa qual é o relacionamento que você tem. Se ele existe a uma semana ou a 60 anos.

Por favor… deixe um pouco de lado as calculadoras emocionais. Esqueça um pouco o desejo de saber o quanto aquela pessoa te ama. Pare de ter medo e insegurança, de pensar que pode perder a qualquer momento aquela pessoa que é especial para você.

Simplesmente ame.

Dedique o mais nobre dos seus sentimentos para aquele alguém que é o seu bem, apenas pelo fato que esse sentimento te faz bem. Apenas porque amar alguém te faz feliz. Apenas porque amar alguém te faz alguém melhor. Especial.

Vai ver aquela pessoa está esperando um gesto simples seu: uma flor roubada de um jardim, um abraço carinhoso, um beijo apaixonado. Tome a iniciativa de demonstrar amor porque é você quem ama. Na maioria dos casos, você recebe esse amor de volta. Com a mesma intensidade. Com o mesmo carinho, cumplicidade. Com o mesmo amor.

Não… eu não estou aqui maldizendo o Dia dos Namorados.

Mas acredito que abraços apertados valem mais do que jóias caras. Que beijos apaixonados são mais valiosos que roupas. Que ter aquela pessoa amada com a cabeça recostada no seu ombro é mais significativo que uma caixa de chocolates.

Sim… eu terminei o texto quantificando. Os gestos, mas não os sentimentos.

Porque amor não se mede. Se sente.

Amor se sente sempre.

Porque de amor estamos todos precisados.





“Como É Grande o Meu Amor por Você”
(Roberto Carlos, Erasmo Carlos)
Roberto Carlos, 1967


Compartilhe