Compartilhe

A “moda” agora é ser ecologicamente correto e sustentável, e coloquei “moda” entre aspas porque existem duas leituras nesse sentido. Por um lado, algumas empresas estão realmente se esforçando para causar um impacto cada vez menor no meio ambiente. Por outro lado, algumas empresas só querem capitalizar com essa desculpa, retirando o carregador da caixa do smartphone para vendê-lo separadamente.

Já podemos fazer piada sobre isso?

De qualquer forma, algumas gigantes de tecnologia estão encontrando soluções bem interessantes para reduzir o impacto ambiental na hora de produzir, empacotar e entregar os seus produtos. E a Sony é uma dessas empresas que apresentou uma dessas propostas inovadoras no seu novo produto estrela, o PS5.

 

 

 

Entretenimento que mantém o foco na preservação do meio ambiente

 

 

A caixa do PS5 é feita de papelão reciclado, algo que beira ao óbvio a essa altura do campeonato, uma vez que não faltam tecnologias para a produção desse material em larga escala. Porém, esse não é o único elemento ecologicamente sustentável no console.

As caixas dos acessórios do PS5, como o controle DualSense, também são feitos de papelão reciclado e, dessa forma, reduz ao mínimo possível o uso de plástico nos seus elementos, já que esse material leva mais tempo de se deteriorar no meio ambiente. De qualquer forma, ainda existem alguns itens que recebem o plástico como material de proteção, como é o caso do envoltório ao redor do console, ou o elemento que envolve os cabos.

O interior da caixa também deixa de lado a espuma de poliestireno para proteger os materiais internos que está presente no kit de venda do Xbox Series X, apostando no seu lugar em um papel cartão ou cartolina que lembra as caixas de ovos que compramos no supermercado.

A caixa do controle DualSense também conta com mudanças em relação ao kit de venda do DualShock 4, que inclui uma tela transparente de plástico que permite ver o controle dentro da caixa, sendo assim mais atraente para o consumidor tão logo ele abre a embalagem.

Tais medidas da Sony podem parecer pouco relevantes, mas já são pequenos passos que podem contribuir na redução do impacto ao meio ambiente por parte da indústria dos videogames, e podem incentivar para que os demais protagonistas do segmento façam o mesmo, normalizando as mudanças necessárias para proteger o planeta das ameaças produzidas pelo próprio ser humano.

Com o passar do tempo, as pequenas mudanças podem resultar em enormes impactos positivos, uma vez que estamos falando de uma das maiores indústrias de entretenimento do mundo.

De fato, todos os principais fabricantes de hardware e software dentro do setor de videogames estão investindo tempo, dinheiro e esforços tecnológicos para reduzir a produção de carbono. No ano passado, Sony e Microsoft uniram forças para turbinar a iniciativa Playing for the Planet, protagonizada pelas Nações Unidas, anunciando seus compromissos de uso de materiais e processos menos contaminantes na fabricação de novos consoles.

Por outro lado, uma das principais inovações do mundo do entretenimento de um modo geral já está em prática no mundo dos videogames há muito tempo, é um dos maiores desafios na preservação ambiental: o streaming.

Se por um lado existe uma redução no uso de materiais físicos, por outro lado o formato digital como um todo (e o streaming em particular) exige um maior consumo energético, o que pode fazer com que a balança fique um pouco desequilibrada.

De qualquer forma, alguns passos são dados, e por um caminho muito positivo e promissor.

 

 

Via GamesRadar


Compartilhe