Compartilhe

Donald Trump ARREGOU.

É claro que ele ia arregar. Não estou chamando o presidente dos Estados Unidos de medroso, mas sim de inteligente. Por mais que eu ache Donald um idiota, babaca e escroto, eu jamais vou chamar ele de burro. Ele é bem inteligente. Teimoso, egocêntrico e irresponsável? Com certeza. Um idiota inútil? Jamais.

O próprio Trump anunciou o fim do veto comercial dos Estados Unidos contra a Huawei, como um claro sinal de boa vontade por parte de sua administração. Fez isso para incentivar as empresas que decidiram abandonar os chineses a voltar para a mesa para discutir a relação, e também para dar uma resposta para os importantes parceiros comerciais que criticaram de forma muito dura a decisão imbecil de estabelecer esse veto comercial.

E uma das gigantes que fez Donald Trump arregar foi a Apple, que mostrou de forma clara como os EUA seria prejudicado com esse veto.

 

 

Não foi só a Apple: toda uma indústria gritou contra Trump

 

 

A Apple foi quem mostrou para Trump em como os Estados Unidos poderia perder (e muito) com a manutenção do veto. Mostrou, esfregou na cara, gritou… escolham a metáfora que quiser, mas as perdas da Apple seriam enormes, a ponto de afetar sensivelmente a economia norte-americana em vários setores.

Outras empresas decidiram realizar comunicados similares, na tentativa que Trump acordasse da sua viagem de drogado. Microsoft, Intel e Dell fecharam em um puxão de orelha em conjunto. Microsoft, Sony e Nintendo, que lideram o mercado de videogames, também.

Todo mundo decidiu se unir para cair na porrada contra Donald Trump, o que foi algo lindo de se ver.

 

 

Tudo muda a partir de agora

 

 

Por mais que Trump diga que “está tudo bem” e os amiguinhos da indústria da tecnologia podem voltar a brincar com a Huawei… não está tudo bem.

A lição que o episódio deixou é que a Huawei e toda uma indústria de tecnologia na China precisa ser menos dependente dos Estados Unidos. E diante dos investimentos que os chineses já anunciaram, eles serão. Ter uma produção de semicondutores própria e desenvolver o seu sistema operacional pode resultar em prejuízos a médio prazo para a indústria de tecnologia dos Estados Unidos. E Trump, “sábio” do jeito que é, não se deu conta disso.

No final das contas, eu comecei o texto dizendo que Trump não era burro, e vou terminar o texto mudando um pouco de ideia. Nessa, ele foi meio burrinho sim.

Despertou a ira de um gigante que vai dar o troco lentamente, fazendo os Estados Unidos sangrar aos poucos.


Compartilhe