Compartilhe

Eu não vou parar. Porque ninguém vai conseguir me parar.

Uma das coisas mais significativas da minha vida foi aprender o que significa a palavra “resiliência”. Essa palavra a gente não aprende no dicionário. Aprende na prática, na vida real, no dicionário da vida. Chame do que quiser. Mas aprende vivenciando o que é.

“Resiliência” é a sua capacidade de se recuperar. É a sua força de vontade para sair do buraco. É ter a capacidade de colocar a cabeça fora da água enquanto está se afogando. É a força interior que nem você sabia que tinha. É virar o jogo da sua vida quando você está perdendo de oito a zero.

Com os acontecimentos da minha vida, eu me convenci que sou mais forte do que eu imaginava. Isso não quer dizer que sou durão: sou um cara bem sensível. Me emociono, choro pra caramba, e não tenho vergonha de demonstrar meus sentimentos. Acho que tudo isso me torna humano diante de mim e dos outros. Aliás, aprendi que demonstrar sentimentos jamais é um sinal de fraqueza, mas sim de força interior.

Por conta disso, eu sou forte. Eu sou muito forte. Posso dizer que forjei minha personalidade para não mais ficar calado diante de certas situações, de não me submeter a certos desmandos de outras pessoas, e não consigo engolir com facilidade determinadas injustiças que aparecem diante dos meus olhos.

E o mais importante: eu não mais aceito me limitar por conta de terceiros.

Eu não tenho dúvidas que sou melhor do que isso. Não tenho dúvidas do que me tornei melhor do que já fui. E não vou deixar ninguém me limitar novamente, ou insistir que sou o que já fui. Isso não vai acontecer.

Eu estou no melhor momento da minha vida. Estou realizando projetos fantásticos (inclusive esse), desenvolvendo trabalhos dos quais me orgulho, minha vida profissional está bem encaminhada, estou me encontrando cada vez mais na música… por que eu teria que voltar atrás? Por que eu tenho que ficar olhando para o passado? Remoer o meu passado?

Não faz muito sentido para mim.

Eu disse por diversas vezes que agora eu olho para frente, pois é lá na frente que eu vou estar. Eu reconheço que algumas coisas que fiz no meu passado não são lá das mais cristãs, mas… quem nesse mundo é santo ou perfeito?

Eu conheço muita gente que faz curso para santo aqui na Terra, para se fingir de bonzinho ou de bom cristão, mas que apronta e muito por baixo dos panos, nos bastidores. Faz coisas muito piores do que eu já fiz, e que não tem coragem de assumir.

Normalmente, eu chamo esses de hipócritas.

Eu optei em viver a minha vida da forma mais livre e intensa possível. Optei por defender a minha liberdade com unhas e dentes. Escolhi minha liberdade de atitudes e consciência. Procuro ser o mais transparente possível sobre quem eu sou  e o que quero na minha vida. Segredos? Claro que eu tenho! Todo mundo tem. Mas certas coisas que dizem a meu respeito não são surpreendentes para as pessoas que mais amo. E nem sei porque poderiam surpreender as demais pessoas.

Ninguém vai me parar. Nada vai me parar.

Logo agora que muita coisa na minha vida está fazendo todo o sentido do mundo? Logo agora que a vida está mais divertida, animada e com tantas perspectivas positivas? Por que eu iria parar nesse momento?

Definitivamente, eu não sou de desistir das coisas da minha vida. Eu não desisto de nada mais. Eu não me entrego.

Eu detesto lidar com a sensação de fracasso. Eu não falo em não saber perder, pois vencer e perder são coisas que fazem parte da vida. Também não estou falando em lutar e não conseguir, pois isso é parte do processo para o sucesso.

Eu falo de fracassar. De abandonar projetos, não conseguir pela própria incompetência. De poder fazer diferente enquanto ainda é tempo, e não fazer por medo, orgulho ou egoísmo. Não conseguir porque eu me permiti me levar por questões menores e menos significativas.

Eu trabalho o tempo todo comigo mesmo para não permitir que essas coisas aconteçam. Pois sei que não vou me perdoar quando o fracasso chegar.

Por isso, para tudo o que eu faço, eu me entrego em 120%. Não existe cansaço, falta de tempo, falta de espaço, sono, estresse… nada. Eu preciso me certificar, de todas as formas que o que estou me dispondo a fazer vai funcionar exatamente da forma como eu planejei ou idealizei.

É claro que às vezes dá medo. A insegurança é parte de todo o processo. Mas… eu prefiro tentar com medo mesmo. Prefiro cair e me machucar e saber o que vai acontecer do que ficar pensando em como tudo seria.

O tempo em que eu viva com medo de tentar passos maiores e mais ousados já passou, felizmente.

Hoje, vivo tudo com muita intensidade. É óbvio que cansa de vez em quando, e que eu preciso de pausas, até mesmo para refletir sobre os passos dados no presente, ou nos passos que darei no futuro.

Porem, nesse momento, tudo acontece de forma tão intensa, que é irresistível não dizer que adoro tudo o que está acontecendo. Mesmo que em alta velocidade.

Eu hoje vivo o melhor momento da minha vida. E ninguém vai conseguir me parar.

Então, eu deixo aqui um recado para críticos, invejosos, recalcados, desalmados, pessoas sem vida e FDPs de todas as espécies: vocês vão fracassar na tentativa de me parar.

Eu fui longe demais para tentarem me derrubar com os conceitos, pré-conceitos e teorias sobre a minha pessoa. Eu sou o que sou, e não o que vocês querem que as pessoas acreditem que sou. Minha personalidade e verdade está em todas as coisas que faço, todos os dias, o tempo todo. Está no sucesso do meu trabalho, nas minhas relações interpessoais, na música que faço, nos posts que produzo.

O que fiz até agora é só o começo. Vai ter muito mais por aí. E vou fazer questão de realizar apenas para irritar vocês.

Podem desistir. Ou se preparem para me aplaudir.

Pois quanto mais tentarem me derrubar, mais forte eu vou me tornar.

Fato.



“Don’t Stop Me Now” 
(Freddie Mercury)
Queen, 1979


Compartilhe