Eu juro pela alma de Jack Bauer que, enquanto eu viver (e, mesmo depois de morto), eu jamais (eu disse JAMAIS) terei uma conta no banco Santander. Primeiro, porque eles patrocinam o Fernando Alonso, e eu não gosto dele. Segundo, e o mais importante: eles estão fazendo da minha vida um inferno, mesmo sem sequer ser cliente deles. E, de novo, jamais serei cliente deles.

Já está com pelo menos três meses que o sistema de discagem automática do banco Santander liga para o número de minha residência, em diferentes horários do dia e da noite, apenas para confirmar se tem alguém em casa, para que aí depois algém do sistema de cobrança do banco, que certamente é algum ser humano muito mal pago, liga aqui em casa, atrás da pessoa que está devendo algum dinheiro para esse banco. Que, por sinal, não sou eu, pois ainda consigo pagar as minhas contas em dia.

A cidadã que o Santander procura responde pelo nome Rafaela Silva Moraes (atenção, Rafaela: se algum dia você ler esse post, saiba que até eu estou atrás de você, para tirar satisfações), que, de novo – para desenhar direito para o pessoal do Banco Santander, que é meio burro e não entendeu por três vezes que eu disse isso, NÃO MORA AQUI, NÃO EXISTE NO NÚMERO DE MINHA RESIDÊNCIA, E NÃO É NADA MINHA (exceto agora ser a pessoa que eu considero desonesta, por estar se escondendo das dívidas que fez com o banco).

Muito bem, por três oportunidades eu entrei em contato com o suposto “departamento responsável” do Banco Santander, solicitando a remoção de todos os meus telefones (que não deveriam estar no cadastro deles), uma vez que a tal da Rafaela Silva Moraes não existe nesse número, e essa cidadã passou o número de minha casa porque não passa de uma caloteira que não quer ser encontrada (não usei exatamente essas palavras, pois tento ser uma pessoa educada).

Os números utilizados pelo Banco Santander para acabar com a minha paz de espírito, ligando em minha residência, insistentemente, e em diferentes horas do dia são:

(11) 5627-6843
(11) 4567-8000
(11) 3546-6800
(11) 3113-4900
(18) 3113-4100

A última reclamação feita no Santander via SAC: 0800 7627777 (com os protocolos 36927972 e 37153550) foi feita no dia 17 de julho de 2013, com o atendente Flávio. Além disso, a conta do Santander nas redes sociais (@santander_br) garantiu que “em até 30 dias”, as ligações não seriam mais realizadas pelo banco.

Ontem, domingo, 25 de agosto de 2013, às 8h da manhã, eu sou acordado pelo telefone (11) 5627-6843… procurando por Rafaela Silva Moraes.

Agora, imaginem o quanto estou feliz escrevendo esse post.

Muito bem, Santander. Eu trabalho com tecnologia desde os 16 anos de idade. Eu sei que sistemas computacionais dão problemas. Sei que os seres humanos são falhos. Mas essa foi a gota d’água. O que é mais cretino por parte do Banco Santander é chegar no Twitter e dizer “pedimos um voto de confiança, Eduardo”. Pois é, Santander: eu dei TRÊS VOTOS DE CONFIANÇA, e vocês falharam três vezes. Ou seja, vocês são altamente incompetentes (ou burro mesmo), e as chances de vocês se esgotaram.

Não recomendo o Santander nem para o Marco Feliciano. Se eles fazem esse serviço porco com quem não é cliente, imagina quando você tem uma conta no banco. Pulem fora dessa barca. O que eles estão fazendo comigo é desrespeitoso, e já me causa danos morais e até financeiros (cheguei a desligar o telefone da linha depois de DEZ LIGAÇÕES DOS NÚMEROS DO SANTANDER EM UM ÚNICO DIA).

Estou procurando os meus direitos. Já fui até o Procon/SP prestar queixa contra o Santander, registrei um Boletim de Ocorrência sobre o assunto, e vou entrar na Justiça para acabar com essa palhaçada. Pelo visto, o Santander só vai parar quando pesar no bolso. De novo: o que o Banco Santander pratica é algo de má fé, desonesto, ilegal e simplesmente vexatório.

E sim, eu tenho que desenhar para o pessoal do Santander que eu não tenho conta no banco deles.

E… Rafaela Silva Moraes… toma vergonha na sua cara a paga o que você deve ao Santander!