nexus4-nexus7

“Don’t be evil” uma ova, Google! Você está sendo mal comigo e com o meu cartão de crédito (o que é algo muito pior, já que meu cartão de crédito é um pobre indefeso). No último final de semana, eu testei por mais de uma hora o Nexus 4 em uma loja do Ponto Frio da minha cidade. Fiquei apaixonado pelo “Android puro” do dispositivo. Quase comprei ele. E por conta disso (e por outras coisas), estou investindo meu pouco dinheiro nele e em um Nexus 7. Isso mesmo, aquele que chegou ao Brasil hoje (25).

Eu ia investir o meu dinheiro no Asus Fonepad, que também chegou ao Brasil nessa semana (se vocês quiserem, eu posso fazer um review dele no TargetHD), mas ao saber que o Nexus 7 chegaria no Walmart na versão 16 GB (Wi-Fi, infelizmente), eu segurei a onda, para comprar esse modelo. Apesar da semelhança física e conceitual do Asus Fonepad e do Nexus 7, e mesmo com o Fonepad contando com uma conectividade 3G, algo que seria bem útil para minha produtividade, eu preferi optar pelas diferenças técnicas a favor do tablet do Google (Android puro, processador e GPU de alta qualidade). Ah, e antes que você me fale do preço do Nexus 7 (R$ 999), eu preferi pagar a mais pela garantia de 12 meses da Asus no Brasil e um parcelamento mais competitivo do produto. No final, vai valer a pena. É o tablet que eu esperava há tempos.

Quanto ao Nexus 4… fica até difícil escrever sobre ele. É simplesmente a melhor experiência com o Android que você pode ter. Uma boa tela, com um toque muito sensível, uma experiência fluída na interface de usuário, uma performance impecável, recursos de câmera muito interessantes… enfim, um conjunto geral excelente. Um smartphone que justifica a maturidade do Android no mercado, provando que é um sistema que bate de frente no iOS mesmo. E como a desculpa da “fragmentação” está acabando (já que a grande maioria dos recentes lançamentos de smartphones e tablets com Android já chegam com, pelo menos, o Android 4.1.2 e, na maioria dos casos, com atualização prometida para a próxima versão do sistema do Google), podemos dizer que temos dois ótimos sistemas operacionais do mercado, com ótimas possibilidades.

E nem falo isso por causa do Nexus 4. Testei os modelos da Motorola com Android Jelly Bean (RAZR D1 e RAZR D3), e me chamou a atenção em como o sistema está bom, mesmo em dispositivos com hardware mais limitados.

Enfim, estou vendo que os meus dias com o iOS estão mesmo contados. Devo ficar, no máximo, com um iPod Touch de terceira geração de 64 GB, que dificilmente vou abrir mão dele, além do Apple TV, que não conta muito nessa equação. Minha esposa já ficou com o meu iPad, e o meu iPhone 4 de 32 já está a venda (se te interessa, clique aqui). Do mais, devo ainda buscar um smartphone com Windows Phone 8 para ter todas as principais plataformas móveis por aqui, até mesmo para continuar a falar deles no blog.

Fato é que: se eu começar a pregar aos quatro ventos as maravilhas da família Nexus, não me chamem de louco. Só me chamem de Fanboy.