Ir ao conteúdo

Eu não dou a mínima para a morte do Google Play Música

Compartilhe

O fim do Google Play Música marca mais uma morte de um serviço do Google, aumentando o cemitério de projetos que foram descontinuados pela empresa. Porém, diferente da maioria dos demais serviços que foram assassinados pela gigante de Mountain View, a sua singularidade no funcionamento divide opiniões sobre a validade desse crime.

Muitos não davam a menor bola para o Google Play Música (eu, inclusive), já que a era do streaming chegou para ficar (ou, no meu caso, preferem armazenar músicas no smartphone). Já outros realmente utilizavam a plataforma por considerarem ela única diante das demais alternativas.

O Google Play Música era, de forma efetiva, a alternativa da gigante de buscas e publicidade na internet a serviços como Spotify, Deezer e similares, que estabeleceram como padrão o hábito do consumo de conteúdo por streaming para os internautas das novas gerações. Porém, diferente dessas novas plataformas, a alternativa do Google não oferecia a opção de escutar músicas do seu catálogo de forma gratuita.

E foi justamente por isso que eu jamais me interessei pelo Google Play Música. Não sou mão de vaca para não pagar por uma plataforma, mas o Spotify oferece uma boa alternativa para ouvir de graça. Então…

Por outro lado, muita gente que gostou do serviço gratuito do Spotfy acabou pagando por uma assinatura para ter algo ainda mais completo. No final das contas, as novas plataformas souberam capitalizar em cima da oferta gratuita, coisa que a Google Play Música não soube fazer.

Em compensação, a Google Play Música permitia o upload e armazenamento na nuvem de até 50 mil músicas, onde você poderia ouvir por streaming com os aplicativos web e smartphones de graça e sem publicidade. Assim, cada usuário poderia montar a sua biblioteca musical e virtual. Muita gente fez isso, de verdade.

E agora, esse povo todo está meio órfão ou irritado, pois tem que transferir tudo de novo para o YouTube Music, que não é de graça de forma alguma.

 

 

 

A morte do Google Play Música deixou muita gente assim… 😢

 

É claro que o Google avisou a todo mundo que o Google Play Música iria morrer com uma boa antecedência. Na verdade, quando a gigante de Mountain View anunciou o lançamento do YouTube Music, ela também estava na prática dando um belo tiro de 12 (a uma distância de uns 67 cm, aproximadamente) bem no meio do peito do antigo serviço.

Os passos que vieram depois disso só indicavam o óbvio: só um dos dois serviços iria sobreviver. E foi basicamente isso o que aconteceu.

Para quem tinha suas músicas armazenadas na Google Play Música, existem duas alternativas: ou faz o download para o seu computador e envia esse conteúdo para um site melhor, ou faz o upload para o novo YouTube Music, e paga o preço cobrado por ele. Mas, fica a dica: o Plex é uma boa alternativa para quem tem paciência em configurar tudo, e aparece como substituto imediato para o serviço que acabou de morrer.

O mais bizarro de tudo isso é que o Google pré-instalou o aplicativo do Google Play Música em milhões de smartphones Android, de forma quase indecente. E, no final das contas, os usuários do mundo todo agora contam com um aplicativo que não presta para absolutamente nada, e que não pode ser removido do dispositivo.

Também por isso, eu digo: vai tarde, Google Play Música…


Compartilhe
Publicado emOpiniãoSoftwareTecnologia