Compartilhe

Minha mudança para Florianópolis começou a ser definida após uma apresentação do Grande Coro Vozes de Santa Catarina, durante os eventos do Outubro Rosa, em 2017. Naquele mês, eu defini que queria a cidade, queria a ilha e queria novos ares. Foram duas apresentações que aquele grande coral conseguiu me impressionar. Duas apresentações para a Amucc. Amor e União Contra o Câncer. Sacou?

Talvez eu decidisse mudar por qualquer outro motivo. Por causa do coração batendo mais forte por alguém, por causa da música que aquele coral fazia (e o fato de poder cantar nesse coral é, para mim, uma das grandes alegrias que eu vivo em Florianópolis), ou porque a minha vida precisava de mudanças. Mas em todos os acontecimentos que me levaram a até aqui, eu posso dizer que nada foi por um acaso. Tudo o que aconteceu comigo desde o momento em que eu optei pela mudança para cá tem uma explicação ou razão de ser.

Foi em um Outubro Rosa que eu ouvi pela primeira vez o relato emocionado da Dona Margarida, hoje presidente da Amucc. Um relato que me emocionou, de verdade. Meses depois, eu estava ajudando a salvar a vida de uma grande amiga, que teve carcinoma nível dois no seio esquerdo. Por um acaso, eu descobri o nódulo nela, e ela conseguiu tomar providências a tempo. E em 2018, eu já estava cantando em dois eventos do Outubro Rosa, com uma alegria tremenda por sentir que tudo o que estava acontecendo estava diretamente conectado, de alguma forma.

Na última terça-feira (21), eu estive em uma reunião com o pessoal da Amucc. Eles estão recrutando voluntários para as suas diversas atividades, e como eles estão precisando de um jornalista para a parte de assessoria de imprensa do Outubro Rosa, eu fui convidado por membros dessa associação para conhecer melhor os trabalhos realizados pela entidade.

 

 

Eu quero ajudar a Amucc de alguma forma

 

 

É um volume tão grande de informações, que é mais fácil eu deixar o endereço do site para vocês visitarem: amucc.org.br.

Mas tudo o que eu posso dizer, de forma bem resumida, é que a Amucc é uma entidade séria, que ajuda a muita gente, e em um sentido muito amplo. São pessoas que lidam com o câncer como algo que pode acontecer com qualquer um, sem relacionar a mazela com a morte de forma factível e inevitável. Mesmo porque, em teoria, todos nós vamos morrer.

Os voluntários da Amucc encaram o problema como um combustível para viver e estimular a outras pessoas a viverem melhor, encarando o problema de frente, além de conscientizar a população sobre a importância em obter a informação correta para derrubar barreiras. Tão difícil quanto lidar com a doença é lidar com a ignorância e o pré-conceito de muitos.

 

 

Eu não sei se vou conseguir dar conta dos trabalhos da Amucc. Nesse momento, eu estou trabalhando com a parte de divulgação/imprensa de dois corais (e pode pintar um terceiro… quem sabe…), sem falar nas minhas atividades profissionais e pessoais.

Mas eu quero ajudar, de alguma forma. Não foi por acaso que eu fui parar em uma reunião dominada por corajosas mulheres.

Com certeza existe alguma razão para isso acontecer.


Compartilhe