Compartilhe

Só nos damos conta em como o ser humano é criativo na hora de nos enfrentarmos mutuamente. Depois de duas guerras mundiais e diversos conflitos bélicos ao redor do mundo, ainda criamos novas e especiais formas de nos matarmos. Afinal de contas, alguns seres humanos precisam explorar o potencial autodestrutivo que carregam dentro de suas almas.

Alguns acreditam que o futuro será sombrio, e imaginam como será a guerra do futuro. A França está contratando escritores de ficção científica para adivinhar quais serão as ameaças militares que vão aparecer no futuro.

 

 

Ficção científica pode prever a guerra do futuro

 

 

De acordo com um relatório apresentado pela Agência de Inovação para a Defesa, a França quer reunir o que eles chamam de “time vermelho”, que é composto por 4 a 5 escritores de ficção científica e futurólogos para “propor cenários de interrupção” que os militares não são capazes de imaginar.

Tais cenários incluem, entre outras, possíveis formas que terroristas ou governos inimigos podem aproveitar a tecnologia avançada do futuro. O grupo de escritores vão utilizar jogos de rol e técnicas de índoles diferentes para fomentar suas previsões.

A DIA nasceu em setembro de 2018, e tinha como objetivo investigar e desenvolver tecnologias futuristas, da mesma forma que a DARPA faz nos Estados Unidos. Não é a forma mais ortodoxa para realizar previsões, mas até que faz algum sentido.

Pensando de forma objetiva, a ficção cientifica teve um impacto muito grande em nossa cultura e percepção de futuro. A tecnologia apresentada em filmes, séries de TV e literatura do gênero inspirou alguns avanços tecnológicos que fazem parte de nossa realidade, e é um reflexo das aspirações dos seres humanos nessa área.

Afrontar um mais que possível futuro bélico marcado pela alta tecnologia é vital. Alguns desses cérebros deram luz a projetos que serviram de inspiração para outros. E existe forma melhor para prever desastres do que falando com as pessoas que imaginaram tantos outros desastres futuros?

 

Via Futurism, CNN


Compartilhe