Freewrite

O Hemigwrite era um projeto de uma máquina de escrever adaptada para os tempos modernos. O seu conceito foi atualizado, e hoje temos o dispositivo na sua versão final, e com um novo nome: Freewrite.

Esta máquina de escrever é especialmente chamativa pelo seu design e pelo uso de um teclado mecânico (com switches Cherry MX Brown), que não conta com cursores para edição de texto. A ideia é que você não consiga editar nada na Freewrite. Ou seja, você escreve e nada mais.

 

Nada de distrações aqui

Freewrite-02

A Freewrite conta com uma tela de tinta eletrônica de 5.5 polegadas, conectividade WiFi para sincronizar documentos com o Google Drive, Evernote e Dropbox e carregador USB-C para a bateria, que tem autonomia de uso para até um mês.

Seus criadores a qualificam como a primeira máquina de escrever inteligente do mercado, mas isso é um exagero: ainda que exista a opção de mostrar um contador de palavras e um relógio, seu software não possui um corretor gramatical. Conta com suporte para vários idiomas para o teclado, mas suas teclas não são retroiluminadas. A conectividade WiFi só está presente para sincronizar os documentos produzidos, apesar do Freewrite contar com um sistema de armazenamento interno (sem capacidade especificada).

A Freewrite – que, repito, é uma máquina de escrever que serve apenas para escrever -, tem como missão fazer você ser perfeito no ato de digitar, ou resistir a tentação de utilizar o smartphone ou o tablet enquanto trabalha nela. É uma proposta original e cara: US$ 499.

Feito para os geeks hipsters e mais ninguém.

Via WiredFreewrite