Galaxy Note 8

O Galaxy Note 8 comete o mesmo erro do Galaxy S8, ao deixar o leitor biométrico na parte traseira, em uma das laterais, em um resultado esperadamente desastroso.

A localização é pouco acessível, e isso só piora por conta do tamanho do dispositivo, que é maior e mais alto, logo, mais difícil de ser alcançado. Continua muito próximo da câmera e, no tato, é difícil diferenciar um elemento do outro.

Resultado: a lente de sua câmera vai ficar mais suja que o normal, prejudicando suas fotos e lhe causando frustração ao tentar desbloquear o smartphone.

Além disso, o leitor de digitais é algo menos efetivo que nas propostas da Apple ou Huawei. Uma leve inferioridade que, combinado com a péssima localização, vira um verdadeiro desastre biométrico do Note 8.

Muitos pensarão no escâner de iris como substituto, mas na prática não é. O escâner exige que o smartphone fique a uma distância muito específica e sem marge de erro, tirando a sua eventual praticidade de uso.

O LG V30 deve fazer um trabalho muito melhor nesse sentido, com uma frontal full-screen e um leitor de digitais na parte traseira, mais abaixo, no centro e facilmente identificável.

Não é a opção perfeita (o ideal seria integrá-lo na tela), mas é muito melhor do que a solução entregue pela Samsung nos seus últimos smartphones top de linha.

Espero que isso seja corrigido no Galaxy S9. De verdade.

Leia também:  Vídeo da Nokia alerta: "as coisas estão prestes a mudar"