Compartilhe

Aplicativos de encontros existem aos montes, e a maioria deles está baseada nos gostos físicos de cada pessoa. Mas o Hater tem um lema que é muito nobre e até divertido: quer transformar o ódio em amor.

Não é uma ideia absurda, já que várias histórias da nossa literatura mostram claramente que isso é possível. Na vida real isso também acontece: aquelas duas pessoas que se detestam acabam vivendo uma grande história de amor. Quase um comercial de margarina.

Em 2017, Brendan Alper (fundador e diretor executivo do Hater), participou do reality televisivo Shark Tank, onde pediu US$ 200 mil por 5% da sua empresa. Uma de suas propostas para gerar dinheiro com o app era que os dados coletados poderiam ser vendidos para empresas que queriam melhorar os seus produtos. Sua proposta foi aceita, mas pediram de Brendan 7.5% da empresa e 2.5% das ações.

O jovem trabalhou por cinco anos na Goldman Sachs, e decidiu se lançar no mercado com o aplicativo que nasceu como uma brincadeira. Ele encontrou estudos que demonstram que detestar as mesmas coisas podem unir as pessoas, e que as pessoas tendem a ser mais honestas e abertas umas com as outras sobre as coisas que odeiam do que sobre as coisas que gostam.

E é verdade. Quando odiamos alguma coisa (não que odiar algo ou alguém seja algo bonito ou socialmente aceitável, que fique claro), nós odiamos isso de verdade. Já quando amamos, pode ser daquele jeito “amo, mas não amo tanto assim”.

 

 

Tal e como faz o Tinder, o Hater segue a mecânica de deslizar para a direita com as pessoas que você gosta, e para a esquerda para aquelas pessoas que desagradam. No registro, o aplicativo mostra temas diversos ao azar, onde você precisa responder quais você ama, gosta, não gosta e odeia. São mais de 3.000 temas diferentes para aumentar a precisão na hora de encontrar a sua alma gêmea calcada no ódio.

Coisas como pessoas que tiram selfies com a comida, odeiam o calor, odeiam acordar cedo e outros exemplos que podem aparecer no app. Basta você selecionar quais são as coisas que você mais odeia (ou não), e um algoritmo trabalha para encontrar o seu match ideal, baseado na sua localização e respostas dadas.

 

 

Nesse momento, o Hater está disponível para Android e iOS, mas infelizmente só está disponível no idioma inglês. Se ainda assim você quiser arriscar, a sua versão disponível na Google Play Store está nesse link.


Compartilhe