Compartilhe

Eu já sabia disso desde sempre.

Eu adoro chocolate. E adoro sexo. A medicina já fez a correlação dos dois elementos há muito tempo, uma vez que esse doce irresistível (DICA PARA A VIDA: jamais confie em uma pessoa que não gosta de chocolate; essa pessoa pode ser um psicopata e você nem sabe) desperta a serotonina, o mesmo elemento que é ativado durante o sexo e o orgasmo.

E acho que a ciência ainda tem muito a descobrir sobre os benefícios do chocolate. Mesmo que a ciência leve anos para provar o que qualquer pessoa pode comprovar isso com a sua vida prática. Por exemplo, o chocolate pode ser um excelente afrodisíaco para os homens.

E eu posso falar isso com experiência própria. Com amplo conhecimento de causa.

Bom, vou parar de fazer auto propaganda e voltar ao tema principal desse post.

 

 

 

Como o chocolate pode ser bom para a vida sexual do homem

 

 

Um recente estudo publicado pelo Imperial College London centrado no estudo do hormônio kisspeptina revelou que o mesmo desperta a libido do homem ao ser exposto para determinadas fragrâncias ou, é claro, quando esse homem observa uma mulher.

Os transtornos psicossexuais contam com um impacto prejudicial importante no bem estar, e podem causar angústias não apenas nos homens que são afetados pelo transtorno, mas também nas suas parceiras. E apesar da grande quantidade de pessoas com esses transtornos, as opções de tratamento são muito limitadas.

O estudo mostra que a kisspeptina pode aumentar a atividade cerebral relacionada com a atração, e esse efeito estimulante é muito maior nos homens com baixa qualidade de vida sexual.

Tá, eu sei o que você está pensando nesse momento: o nome do hormônio é simplesmente ridículo, e a disposição dos elementos parecem peças de um infomercial que passa nas madrugadas da Rede TV. Porém, a explicação do nome tem uma certa lógica: esse elemento foi descoberto na Universidade da Pennsylvania, que é a mesma cidade onde estão os chocolates Kisses da Hershey’s.

Para realizar o estudo, 33 homens heterossexuais entre 18 e 34 anos se submeteram aos escâneres cerebrais por ressonância magnética enquanto sentiam o aroma do perfume Chanel No. 5 enquanto observavam rostos femininos.

As sessões se intercalaram com injeções desse hormônio kisspeptina presente no chocolate. Para descobrir o que cada dose da substância oferece, os homens testados respondiam melhor aos estímulos, aumentando assim o seu desejo sexual.

Agora, o próximo passo do projeto se concentra em articular um estudo muito mais complexo para criar um tratamento para a baixa libido, baseado no uso desse hormônio.

 

 

+info


Compartilhe